"Governo dá sinais de que há algo a esconder" na Copa, diz Chico Alencar

Conhecido por sua luta pela transparência no uso dos recursos públicos, o deputado federal Chico Alencar (PSOL-RJ) se tornou mais uma voz na onda de denúncias de falta de transparência na relação entre o governo brasileiro e a todo-poderosa Fifa, no que tange aos compromissos assumidos para a realização da Copa do Mundo.

Os acordos entre as autoridades brasileiras e a entidade máxima do futebol foram assinados ainda durante o governo Lula.

"É uma caixa-preta"

Chico Alencar apresentou um pedido de acesso aos documentos assinados entre o Brasil e a Fifa, mas não obteve retorno dos ministérios da Casa Civil e do Esporte:

"Enviei um ofício solicitando os documentos para as duas pastas há 57 dias, mas nem sequer obtive resposta, são documentos secretos. O governo dá sinais de que há algo a esconder. A Copa do Mundo é uma caixa-preta", alerta.

Insatisfeito, Alencar decidiu subir o tom e usar um mecanismo parlamentar que obriga o Executivo a responder.

"Como não tive resposta, enviei desta vez um requerimento, e o governo é obrigado a responder em 30 dias, sob pena de cometer crime de responsabilidade. Um dos compromissos do governo era fazer uma Copa do Mundo com total transparência, mas isso não vem acontecendo. Até mesmo os portais de transparência estão muito desatualizados".

Segundo o deputado, os governos podem se aproveitar desse sigilo para encarecer projetos para o Mundial, já que a opinião pública não tem condições de fiscalizar o que de fato é obrigação e o que são apenas sugestões que podem ou não ser acatadas:

"A Copa virou um grande negócio para empreiteiras, uma farra com o dinheiro público. Acho muito possível que isto esteja acontecendo. A obras fundamentais, como as de mobilidade, que deixam um legado real para as cidades, estão praticamente paradas, só 0,02% foram executadas", denuncia.