Síndrome de Obama

Uma das preocupações que afligem o governo é que o Congresso reaja da mesma maneira que os parlamentares americanos fizeram diante dos apelos do presidente Barack Obama pela elevação o teto da dívida americana. 

Usando medidas que o Executivo considera prioritárias para aplacar a crise econômica como moeda de troca, os aliados prometem desgastar ao máximo a imagem do Executivo.

É greve

Revoltosa, a base endureceu ainda mais a ameaça de votar nada na Câmara que seja de interesse do governo. No início da semana, previam que a paralisação dos trabalhos durasse alguns dias. O caldo entornou ainda mais e já se fala em paralisação até o fim do ano.

Chantagem aliada

Projetos de suma importância para o governo estão ameaçados, como a Desvinculação de Receitas da União (DRU). Durante reunião de líderes esta semana, Eduardo Cunha (PMDB-RJ) disse que a matéria só passa da maneira como quer o governo se for votada a emenda 29, que destina mais recursos para a saúde. O oposto do que pediu o ministro da Fazenda, Guido Mantega.