Aliado de primeira hora não quer ficar de lado

Apesar de ser a “aliança prioritária” do governo, nas palavras da ministra Ideli Salvatti (Relações Institucionais), alguns caciques do PMDB não estão muito satisfeitos porque consideram ter ficado de lado nas negociações para tentar conter a crise que se abateu no governo. 

A ida de Ideli ao Congresso para conversar com os parlamentares da legenda chegou a ser desaconselhada por pessoas próximas.

Termômetro

O temor era que a operação da PF que atingiu o Ministério do Turismo instigasse a ira do PMDB. Por isso, integrantes do partido avaliam que o encontro com o Ideli serviu em boa medida para que a ministra sentisse como está a temperatura dos peemedebistas com o governo.

Para conter o racha

Durante o encontro, Ideli admitiu que “pode haver uma cisão na base”, mas que o Planalto trabalha para contornar a situação. Não é à toa que parlamentares de diferentes partidos vêm tecendo elogios à melhora da articulação política e, principalmente, do diálogo com o governo.

Por fora do assunto

Para um peemedebista que participou do encontro, um dos sinais da preocupação do Planalto com possíveis dissidências do PMDB, é que as explicações da ministra para a operação da Polícia Federal contra o Turismo não foram consideradas muito satisfatórias por alguns dos participantes.