No negócio dos Danemberg não é o segredo que tem alma, são os objetos

Cada geração de Danemberg, uma proposta. Quando o antiquário era o pai de Arnaldo, a loja dos Danemberg, na trepidante rua do Lavradio, se chamava Antigualha. Sob o comando de Arnaldo, o endereço é o Edifício Chopin, a sigla é AD, e os móveis brasileiros passaram a se mesclar aos europeus. Com a entrada na roda da terceira geração, nasceu o ad.studio, de Paloma Danemberg, nova marca dentro do tradicional antiquário do pai Arnaldo. Ali, ela desmistifica a cultura do antiquariato para a nova geração, com seu olhar refinado e treinadíssimo pelo garimpo das coisas lindas nas muitas viagens internacionais. Assim, Paloma estreou colab com o artista plástico Antonio Bokel, que assina nova linha de objetos para seu ad.studio, com 20 peças entre vidros de farmácia, peneiras, lousas e maletas, todas são intervenções dele em peças do antiquário. “Cada um desses objetos soma minhas ideias e questões contemporâneas às peças antigas. Juntos pudemos passar algo atemporal como a alma, que nunca morre, está além do tempo e do espaço”, definiu Bokel. Paloma também tem seu discurso: “Comprar em antiquário é uma atitude contemporânea e sustentável. O ad.studio quer falar com essa nova geração que busca cada vez mais se conectar com as questões do próprio tempo. Por isso a parceria com o Bokel, um artista plástico contemporâneo faz tanto sentido. Assim como a vida, os objetos também ganham novos significados. Criamos o movimento #soulbelievers, trabalhamos com objetos com alma para pessoas com alma”. Outra novidade: As peças estão à venda desde quarta-feira, com exclusividade, pelo site da Boobam. O lançamento da colab ad.studio + Bokel teve o som do DJ David Tabalipa, tocando só vinil (!), comidinhas da chef Tunica Bocayuva e cerveja Praya.

1 - Antonio Bokel, Paloma e Arnaldo Danemberg... 2 - Maria Pia Sussekind e Maria Nabuco... 3 - A trinca de belos do site de vendas Boobam com a bela Paloma: Henry Barclay, Thomaz Vidal e Marco Azeredo... 4 - Francisco Viana e Guido Sant’Anna... 5 - Eduardo Madanelo entre Juliana e Patricia Veneziani... 6 - Paula e Luiz Carlos Nabuco, Erick Figueira de Mello e Paloma Danemberg... 7 - Beto Figueiredo... 8 - O cônsul geral da Bélgica, Jean-Paul Charlier, e Arnaldo Danemberg... 9 - Karen Goldstajn, Camilla Niskier e Cristiana Bailly 

BORBULHANTES

JÁ TEM DATA a eleição do novo imortal da Academia Brasileira de Letras. Dia 19 de abril será eleito aquele que irá preencher a cadeira 3 da ABL, até o início de janeiro ocupada pelo saudoso Carlos Heitor Cony. Joaquim Falcão, bem apadrinhado pelo grupo Globo, é o franco favorito. Concorre com ele a escritora Vilma Guimarães Rosa, que tem como padrinho seu pai, no reino celestial, João Guimarães Rosa, que ocupou a cadeira nº 2, apenas por três dias, vindo a falecer logo após sua posse... COM REFERÊNCIA à nota publicada nesta coluna no último domingo, dia 25, a Assessoria de Imprensa do Metrô Rio informa que os elevadores e escadas rolantes da Estação General Osório já estão funcionando a contento... QUE BOM QUE a equipe de manutenção já consertou as escadas rolantes e as esteiras que estavam paradas. Assim como o bonito elevador panorâmico que permite o acesso dos moradores do Cantagalo e fica em frente à rua Teixeira de Melo... PARADO DESDE O CARNAVAL, ele voltou a funcionar exatamente no dia 27, do jogo Brasil e Alemanha... É COMPREENSÍVEL que a manutenção da General Osório tenha tido bastante trabalho nas últimas semanas. Afinal de contas, esta foi a estação que mais sofreu com os excessos dos foliões, que lotaram Ipanema no último carnaval... COM RELAÇÃO aos guichês da bilheteria, como eles enfatizam, são três funcionários em média, estes só existem na entrada principal da Estação... NAS DUAS OUTRAS ENTRADAS, tanto pela rua Teixeira de Melo, quanto pela Sá Ferreira, os guichês foram desativados e só é possível acessar o metrô utilizando o serviço de autoatendimento, o que tem provocado queixas dos usuários da região... QUANTO AO BANHEIRO, vale fazer algumas observações... O BANHEIRO DA ESTAÇÃO Jardim Oceânico, na Barra, é impecável. Está sempre limpo e perfumado, o que dá ao usuário a sensação de estar na Europa... E ASSIM ERA O DA Estação General Osório, quando esta foi inaugurada... O BANHEIRO MASCULINO, por exemplo, era composto por três espaços individuais, com vasos sanitários e três mictórios... ERA TÃO ASSEADO e clean que logo virou point gay. Alguns usuários começaram a demorar um tempão lá dentro, sem conseguir desgrudar o olho dos atributos... do novo WC... O MESMO ACONTECEU com o banheiro da Estação Cantagalo, que costumava ferver nos horários de pico (eu disse, nos horários)... MAS A ALEGRIA DO público LGBT durou pouco. Para acabar com a animação dos assanhados, o Metrô mandou retirar os mictórios de ambas as estações, fi cando só a opção das cabines individuais. Foi aí que o padrão do serviço de limpeza caiu bastante. Não mais perfume, não mais clean look, não mais mictórios... PARECE QUE O METRÔ quer usuários tipo vapt vupt, que entrem, usem e saiam, sem ficar olhando para os lados... DE CONTRATO assinado com a Editora Actes Sud para estreia de A Noite da Espera na França, Milton Hatoum fez duas palestras na tradicionalíssima Sorbonne... A OBRA DE HATOUM, lançada no Brasil pela Companhia das Letras, já está esgotando os 20 mil exemplares da tiragem inicial... NO LIVRO, HATOUM retorna à Brasília de sua juventude – do final dos anos 1960 e da ditadura militar – para contar a história de Martim, um garoto às voltas com a ruptura com a mãe e a difícil relação com o pai e com tudo o que ocorria à sua volta... A HISTÓRIA seguirá com mais dois volumes – e o próximo será situado na França... O GENERAL BRAGA Netto foi bem explícito: além de não autorizar imprensa no almoço em torno dele na Associação Comercial do Rio de Janeiro, não permitiu que sua fala fosse gravada... E A POLÍCIA DO Paraná, hein? Além de não dar a devida proteção à Caravana de Lula, ainda negou por escrito os fatos ocorridos...  CADA VEZ MAIS este 2018 vai se assemelhando aos primórdios de 1964... E HÁ AINDA quem se recuse a duvidar da possibilidade de não haver eleições...