"Que Cazuza viva para sempre", pede Lucinha Araújo em noite especial no Rio

Ney Matogrosso, Alcione, Bebel Gilberto, Diogo Nogueira cantaram músicas do poeta

“Que Cazuza viva para sempre”. Foi com essa mensagem de Lucinha Araújo, mãe do cantor e poeta, que a Arena Banco Original foi contagiada por uma mistura de sentimentos na última noite. 

No palco, Rogério Flausino e o irmão Wilson Sideral - que musicou a partir das letras de uma poema de Cazuza até então desconhecido - apresentaram o projeto dedilhando. Os convidados? Ney Matogrosso, Alcione, Bebel Gilberto, Diogo Nogueira, Teresa Cristina e Baby do Brasil. 

Lucinha se equilibrava em dois momentos: quando ficava muito emocionada e quanto cantava e dançava, batendo palmas. À coluna, em dado momento, disse: “Eu acho que ele merece isso e muito mais. O Cazuza foi um grande poeta e o Brasil se orgulha muito dele. Eu vejo que meu filho é uma figura como Noel Rosa, que morreu antes de eu nascer, mas eu cresci ouvindo e se mantém vivo até hoje. Então, é isso que eu quero e acredito que vá acontecer: Cazuza estará para sempre entre a gente através de sua arte”.

Teresa Cristina, antes de pegar no microfone, nos disse que "esse encontro é muito importante por diferentes motivos": "Eu pertenço ao universo no samba e estou cantando Cazuza. Isso mostra o quanto a arte dele não tinha um ritmo ou um gênero específico. Quem faz essas rotulações é a mídia, que restringe o meu trabalho ao samba, o do Flausino ao pop e o da Baby ao rock. Eu acho que esse encontro está unindo as pessoas em prol de algo maior: a música e o Cazuza”.

Ali perto Wilson Sideral falava de “Não Reclamo (Essas Canções de Amor)“, feita por ele a partir de um poema inédito e confidencial de Cazuza. “Foi um misto de alegria, gratidão e responsabilidade para fazer algo a altura de um poeta tão importante para toda uma cultura e um povo. As poesias do Cazuza são lindas e, para mim, cada frase é um tiro no coração. E, por isso, eu acho que as pessoas se apropriam muito da arte dele como se fossem versos escritos para elas mesmas. Aquilo me tocou pela sinceridade das palavras e por botar o coração na ponta do lápis e da caneta. Então, para musicar, eu peguei o violão, fiquei lendo inúmeras vezes e resgatando todas as referências que eu tinha do Cazuza dos discos que eu sempre ouvi para conseguir expressar o que ele escreveu no poema em música”, lembrou.

Acabamos ficando sabendo que além de Sideral, Baby do Brasil, Caetano Veloso, Seu Jorge e Nando Reis também vão musicalizar poemas inéditas. Todos escolhidos a dedo por Lucinha Araújo, que achou uma pasta com os dizeres “não abrir nunca! Confidencial”. Ops...