Péricles: "Eu acredito que hoje o samba vive um momento de reconstrução"

À coluna, cantor também falou de seu envolvimento com a Procure Saber

A coluna encontrou Péricles, dia desses, no Boulevard Olímpico, e engatou um papo sobre samba e pagode, que viveu um boom jamais sentido posteriormente na virada do milênio. Quais as perspectivas dele? “Eu acho que o pagode teve seus tempos áureos em várias fases dos anos 2000 e 2010 quando conquistou espaço em trilhas sonoras de filmes e novelas. Mas o sucesso desta década ainda não se compara aos anos 1990. Pelo menos não em quantidade, mas em qualidade, que cada vez mais fica melhor. Eu acredito que hoje, o samba vive um momento de reconstrução. Os novos grupos e artistas que chegam ao cenário musical precisam desse espaço e dessa chance para mostrar o seu trabalho. É importante que haja esse processo de renovação”, comentou.

E como carta na manga para essa renovação surge a...internet. “Eu acho que a internet só ajuda. Se a gente souber usar essas plataformas, todo mundo acaba ganhando. As nossas músicas ganham dimensões muito maiores, chegam a mais pessoas e é uma porta que a gente jamais pode desprezar”, analisou. Mas, como toda moeda tem duas faces, surge aí nesse meio os serviços de streaming que ajudam, mas também causam uma dor de cabeça quando o assunto são os direitos autorais.

“Nós compositores brasileiros estamos sempre discutindo isso através de um grupo chamado ‘Procure Saber’. Por isso, estamos constantemente indo à Brasília e para fora do país para que as leis do streaming não sejam simplesmente impostas. Nós também queremos opinar e ver como elas melhores se adaptam à realidade brasileira. A maneira de se negociar música é diferente, porque tudo mudou. A internet só veio para ajudar. O que precisa é que a gente se acerte dentro deste panorama”, concluiu.