Em cartaz com "BR 716", Sophie Charlotte realiza grande sonho...

Sophie Charlotte realizou um de seus maiores sonhos profissionais: ser dirigida por Domingos de Oliveira no cinema. Ela está em cartaz com o longa "BR 716", com Caio Blat, Maria Ribeiro, Pedro Cardoso, Sérgio Guizé e companhia no elenco. “Foi uma grande honra, porque Domingos é o meu grande mestre. São muitos anos de amizade e de ensinamentos, já que foi ele o responsável por me levar para o teatro. Nos conhecemos quando fiz o ‘Cabaré Filosófico’, no extinto Canequinho, do Canecão. Aquilo mudou a minha vida. Entrei para fazer só uma participação e fiquei até o fim da temporada”, lembrou à coluna.

O filme se passa na Rua Barata Ribeiro, em Copacabana, onde Domingos morou antes de virar cineasta - daí o batismo da obra. Lá, ele reunia os amigos e bebiam até de manhã. Só que do lado de fora do apartamento...o pau comia, com a repressão do regime militar. Caio Blat é o responsável por dar vida a Felipe, uma espécie de alter ego do diretor. Sophie, por sua vez, interpreta Gilda, uma espécie de femme fatale arrebatadora, que até canta no longa.

“A minha personagem é uma grande sedutora. Ela assume personalidade de várias divas para criar uma mulher ideal, tanto que Gilda nem é o nome verdadeiro dela. Criei essa personagem na cara de pau. Durante as filmagens, a gente ria muito, porque eu cheguei a conclusão de que nenhuma mulher pode ser tão sedutora”, brincou ela, que também falou sobre o arrisco soltando a voz.

"Eu amo cantar a música ‘Amado Mio’, do filme ‘Gilda’. Eu até já fiz algumas coisas com música, mas é sempre um desafio. Quando você canta não tem máscara como o ator. Você mostra a sua essência, é um pedacinho da sua alma. Mesmo tendo a personagem como escudo, eu fico muito nervosa”, finalizou.