Minas Trend Inverno 2017: a expertise infalível do crochê da Doisélles

Grife de Raquell Guimarães aposta na técnica como a grande identidade da marca

Se o tricô é a tendência da próxima estação, quem está muito feliz é a estilista Raquell Guimarães da grife Doisélles. Desde o começo da marca, a estilista aposta neste trabalho combinado ao crochê como identidades da grife. “Eu espero que essa realmente seja a tendência do inverno 2017 porque é o que a minha marca faz desde quando começou em 2008. Então, quando a gente entra dentro da moda é lindo. Mas também, se estivermos indo para o lado oposto, nós vamos continuar fazendo isso porque somos uma marca totalmente atemporal”, argumentou Raquell que para esta coleção apostou no conceito da economia criativa. “Ela atende a uma demanda de mercado que é a sustentabilidade. A gente quer mostrar que essa urgência para tratar dos processos têxteis precisa ter mais respeito”, avaliou.

Mas, como nos contou momentos antes de cruzar a passarela, esse conceito não está explícito na coleção. Pelo contrário. Raquell Guimarães quis trazer esse ideal para a identidade de suas peças. “Eu não traduzi isso esteticamente. Eu apliquei esse conceito no processo produzindo peças feita a mão por detentos. Esteticamente, ela é mais um vestido de celebração. Mas o processo dela tem muito respeito. Então, na alma desta roupa está toda essa proposta da coleção, que é a economia criativa”, disse a estilista que, esteticamente, apostou no metalizado como forma de euforia e felicidade. “Eu quis trazer brilho e alegria. Geralmente, o tricô atende muito bem ao preto e ao off white. Mas, para o desfile, eu quis celebrar e trazer a energia das cores. Então, a coleção é pontuada com dourado, prateado, azul petróleo e roxo metalizado. Teremos brilho na passarela”, adiantou a estilista no backstage.

O que também foi destaque nesta coleção foi a beleza de Ricardo dos Anjos. Em maquiagens ousadas e um tanto quanto dramáticas, Raquell Guimarães quis proporcionar experiências e sensações opostas a quem estava assistindo ao desfile. “A gente fez uma beleza mais teatral para proporcionar diferentes interpretações em quem vê. Então, quando a modelo caminha, o lado direito do público enxerga uma face enquanto o esquerdo outra. E depois isso se inverte”, explicou a estilista Raquell Guimarães da marca Doisélles.

[email protected]