Sem 'patrocínio master', Timoneiros da Viola retorna com muito samba (e garra)

Desfile, neste domingo (3), relembrará musical Rosa de Ouro, de Hermínio Bello de Carvalho

Confira também o nosso blog.

Ele nasceu em 2012 com o intuito de resgatar a poesia e lirismo de antigos blocos carnavalescos do Rio de Janeiro. Como homengeado (e também fundador), mirou Paulinho da Viola, ícone do samba e da sofisticação simples da música brasileira. Como palco, escolheu os bairros de Oswaldo Cruz e Madureira, berços das rodas de samba mais prestigiadas da cidade e local onde nasceram 'apenas' Portela e Império Serrano. No repertório, composições assinadas por mestres como Bide, Marçal, Candeia, Nelson Cavaquinho, Cartola, Donga, João da Baiana e, claro, Paulinho da Viola, dentre outros. Não tinha outro jeito: o Timoneiros da Viola foi eleito o melhor bloco da Cidade Maravilhosa, ano passado. Mas nem só de samba e água fresca vive o projeto do jornalista Vagner Fernandes, que enfrentou dificuldades para repetir a dose do Timoneiros em 2013. Mais especificamente neste domingo, dia 3 de fevereiro.

O bloco perdeu, para este ano, seu patrocínio master, e teve de recorrer a um nome ilustre de sua região para engrenar mais um desfile: o sambista Marquinhos de Oswaldo Cruz. "Marquinhos é um grande amigo. O bloco perdeu o patrocínio master neste Carnaval e ele nos convidou para unirmos esforços e fazermos um evento conjunto. Teremos o Timoneiros e uma edição especial da Feira das Yabás, atualmente um dos mais importantes encontros de gastronomia e de preservação da cultura negra do Rio de Janeiro", conta Vagner, lembrando que Marqunhos, além de idealizador da feira, comanda o Trem do Samba, que anualmente promove seu agito em dezembro.

Para 2013, pensou-se em mudar o trajeto do desfile do Timoneiros, que deve arrastar mais de 70 mil pessoas pelos tradicionais bairros. "Inicialmente sairíamos dentro do Parque Madureira, mas o Marquinhos acabou nos convencendo a manter o bloco na Praça Paulo da Portela, em frente à Portelinha", conta Vagner.

Este ano, o bloco vai relembrar o musical 'Rosa de ouro', reverenciando, além de seu anfitrião e fundador Paulinho da Viola, Elton Medeiros e Nelson Sargento. O trio participou do espetáculo, idealizado e dirigido por Hermínio Bello de Carvalho na década de 1960, ao lado de Anescarzinho do Salgueiro, Jair do Cavaquinho, Clementina de Jesus e Aracy Côrtes. O Timoneiros tem concentração marcada para às 12h e inicia as atividades a partir das 13h.

Colaborou Beatriz Medeiros 

[email protected]