Sedução: Maria Machadão, de 'Gabriela', recebe Bettie Page no Bataclan da Serra 

Feira de lingerie em Nova Friburgo surpreende compradores com mix de produtos fashion  

Confira também nosso blog

O stylist Alexandre Schnabl mergulhou no mundo da moda íntima da Fevest 2012, Feira Brasileira de Moda Íntima, Praia, Fitness e Matéria Prima, realizada em Nova Friburgo esta semana e saiu impressionado com as novidades apimentadas. O evento foi motivo de alegria para os 89 expositores, que só faltaram abrir garrafas de Veuve Clicquot para comemorar o sucesso de vendas. A Feira, maior plataforma tupiniquim de lançamento de sutiãs, calcinhas e otras cositas más, recebeu um terço a mais de convidados do que o previsto e as vendas foram 30% superiores às metas inicialmente estipuladas, provando que o mercado de moda íntima não tem nada a ver com saliência. Ou teria?

Afinal, as grifes expositoras intensificaram os investimentos em pesquisa de moda e o que se viu foram apostas que privilegiaram, entre os outros temas, uma levada retrô de lingerie com jetinho de Bataclan! Sim, muitos modelos de calcinhas e sutiãs corsetados, com costuras em zigue zague, amarrações fetichistas e acabamentos que lembram o visual boudoir das protegidas de Maria Machadão, personagem de Ivete Sangalo em Gabriela, reforçando o conceito de que roupa íntima é, de fato, moda! Além das rendas, tules e texturas características do segmento, o que se viu foi uma profusão de corselets e tops que podem ser usados tanto para seduzir na cama como, também, na rua. Ops, como assim???

Simples, cada vez mais as mulheres procuram comprar produtos de lingerie que possam ser usados outwear, como tops, corselets e bustiês que, sob belas chemises comportadas, imprimem aquele ar sedutor de quem não brinca em serviço. Segundo Rose Braune, da Mimi Femme, por exemplo, as brasileiras descobriram o filão da lingerie fashion e não se satisfazem mais com produtos básicos. Consequência do impacto de imagem de uma Victoria's Secret? Ou da expansão do mercado nacional catapultada por mega stores como Loungerie ou Marisa Lingerie? Talvez. Mas Patricia Navega, da Patner, é categórica em afirmar que a concorrência dos produtos chineses vendidos nas lojas de departamentos é o mais forte motivo dessa busca pelo diferencial. A Patner, por exemplo, investe um bodies rendados engana-mamãe, assim como a Des Chelles, um dos principais fabricantes do Pólo de Friburgo, que aposta em cores da moda, camisolas fashionistas e modelagens cheias de guéri-guéri.

Evandro Valadares, da Mimar, reforça o coro, dizendo que lingerie também é moda e que o mercado cada vez mais exige produtos diferenciados. No seu caso, tops com bojos anatômicos em coloridos inusitados, com estampas que vão de corações à la Romero Brito a maxi poás anos 1950. Aliás, os poás coloridos, as estampas de animal print (zebra é a novidade!) e os bustiês com cara de pin up foram outra influência quase unânime na feira, fazendo a ponte entre as semanas de moda e o Polo de Friburgo.

A lendária Bettie Page e sua sucessora - a quase transparente Dita Von Teese - fariam a festa na Fevest!       

[email protected]