Apologia ao porte de armas de fogo marca segundo episódio de 'Mulheres Ricas'

Confira também o nosso blog.

Mesmo que não se reflita em uma audiência retumbante, é inegável que a repercussão do reality da Band 'Mulheres ricas' é altíssima, com opiniões, das mais radicais às mais contidas, brotando em cada tweet, post, reportagem. E, após o segundo episódio, exibido nesta segunda (9), o pano da manga da polêmica ganhou metros e metros a serem costurados. Motivo? A paixão de Lydia Sayeg, uma das ricaças, por armas de fogo. "Já matei o desgraçado?", gritava Lydia, enquanto atirava em direção a um alvo, no seu estimado clube de tiro. A justificativa para a escolha do esporte seria a obsessão, aliás explícita, da joalheira por segurança. "São Paulo é uma selva. Sou eu ou ele, o inimigo", argumenta.

Bem, paixão e hobby à parte, é preciso parar e refletir que vivemos em tempos nos quais idealizamos uma paz, para muitos, impossível, quiçá inalcançável. Mas continuamos em busca, sem desistir. Mas difícil se torna a situação quando um programa, em rede nacional, ao expor mulheres reconhecidamente bem-sucedidas financeiramente, cujo estilo de vida é almejado por tantos (não sejamos hipócritas), fazendo apologia a algo que nós, da coluna, somos contra: o porte de armas. Preferimos tentar viver em um Éden da paz do que nos rendermos à vida no Velho Oeste. Ouviu, dona Lydia?

[email protected]