Filé de luxo com tempero de Alta Costura

 

Quem assistiu a algum desfile do francês Christian Lacroix deve ter se encantado com os detalhes artesanais que sempre complementam as coleções. Provavelmente viu, se encantou e não soube que alguns dos xales de uma renda de fios coloridos, que pareciam tão familiares, poderiam ser de renda filé, técnica brasileira do Nordeste. E quem deve ter integrado o filé em Paris foi o arquiteto Marcos Telles, alagoano que circulou alguns anos pela Europa.

Marcos mostrou ontem (14), sua segunda coleção, depois que voltou a morar em Maceió, no evento Alagoas Trend House. E provou que assimilou a arte da Alta Costura, valorizada pelo trabalho das rendeiras do Pontal, região de artesanato da capital alagoana: usando o conceito Pérola Irregular, Marcos criou vestidos, saias e acessórios em filé de cordão sobre forros e bases de cetim Bucol, rendas clássicas e shantungs changeants franceses.

- O filé, como a pérola, é irregular. Nesta coleção, todas as peças têm o mesmo desenho, mas os tamanhos variam, são irregulares. Há fitas de seda entremeadas nas tramas, flores de renda aplicadas e rebordadas, e muitas pérolas velhas, em diversos formatos – contou o arquiteto que descobriu a moda como profissão depois de criar muitos vestidos para três Misses que faziam parte da sua família.

Quem se encantar com esta moda digna dos tapetes vermelhos do show business fique sabendo que um modelo sob medida – é Alta Costura, são peças únicas – custa a partir de R$ 3 mil. Para se sentir ainda mais especial, escolham os vestidos em filé de fios pretos, os mais raros. As rendeiras evitam trabalhar com eles, porque são difíceis de enxergar, exigem muito esforço visual.

O desfile performático, com tapetes persas na passarela, contou com a atuação do cantor Frank Constancio que, incansável, repetiu arias como Um Bel di vendremo, da ópera Madame Butterfly, ao longo do show. Marcos Telles entra na seara dos estilistas criadores e originais, onde reina Lino Villaventura.