Alfaiataria, camisetas e roupas esportivas para o verão masculino

Dito assim, dá impressão que nada vai mudar muito. A moda costuma surpreender...

Alfaiataria, camisetas, ternos. Estas continuam sendo as bases da elegância dos homens na temporada quente. Os desfiles de Paris respeitaram de perto estas preferencias. Mesmo as bermudas, peças distantes de conceitos elegantes, foram incluídas em todas as coleções, quase sempre com paletós.

As mudanças estão nas cores - há azulões, amarelos e rosas, ao lado dos brancos e pretos -, nos cortes de paletós que ficam mais curtos e quadrados. Os sapatos perdem o bico fino, tendem para o quadrado, até nas sandálias. Topetes dominam as cabeças, em esculturas de alturas variadas.

 

Camisetas – sim, elas são permitidas, até na grife Givenchy. Ricardo Tisci, diretor de estilo, lembrou da infância familiar, das aulas de catecismo e da primeira comunhão. As estampas têm imagens de Nossa Senhora e de santos, e o corte das camisetas é quadrado, mullet. O que, mullet? Sim, como os cabelos dos anos 1980, como os cantores sertanejos tradicionais, são camisetões curtos na frente e longos atrás.

 

Alfaiataria – o eterno terno e gravata resiste? Mais ou menos. Ele vem com paletozinho rosa, em Kris van Assche. Pode ser azulão, em Jil Sander. Ou com paletó dois botões, quase um clássicão, não fosse a bermuda trivial que acompanha, em Louis Vuitton. Em meio a propostas ousadinhas, surpreende ver a versão do Raf Simons, sempre minimalista e colorido: seu terno cinza é careta, só a calça ajustada nas coxas e larga na barra dá um aviso de modernidade. Em compensação, o complemento do tênis e o cabelo esfiapado relembram a necessidade de chocar, nem que seja no look.

 

Conjuntinhos – lembram pijamas, roupas de presidiários de cartoon, mas quem duvida que o estilo pegue, fique sabendo que nos anos 1970 elegantes como Gilberto Braga, Zozimo Barroso do Amaral e Teddy Paez usavam os conjuntos Lothar, marca de Saint Tropez que fez sucesso lançando conjuntos de camisa e calça em tie dye azul. Então vamos prestar atenção ao jogo de camisa e calça de seda amassada de Louis Vuitton e nos esquisitinhos conjuntos em xadrez, dourado, listras ou estampinhas da Comme des Garçons. Ok, podem dispensar o cabelo vermelho com faixa – quem sabe, não agradam a um vocalista de banda? Mais ameno é jogar o camisão telado com bolsos brancos sobre calça e camiseta pretas, do Philip Lim.

 

Nas ondas – enfim, nem o surfista, tão desligados das tendências, que em matéria de previsão só se interessa pela do tempo e das marés, escapa do olhar dos criadores de moda. Que tal, enfrentar o mar com um wetsuit assinado? Tem modelos para os ciclistas também e a coleção Vuitton focou os adeptos dos esportes marítimos. Sabem como é, iates, regatas, estes luxos. Que podem influenciar no jeito de vestir de quem frequenta as academias.