Pérolas, reciclagem e borracha nas peças de Francesca Romana

Na Italia, ela era aprendiz; aqui, ensina as técnicas para criar modelos que são mais que bijuterias

A jovem designer veio de Nápoles para passar férias no Brasil. Visitou Olinda, Manaus, Pantanal. Viu São Paulo, Rio de Janeiro e sucumbiu aos encantos brasileiros quando descobriu as nossas pedras. Criou alguns colares e brincos, em dois meses vendeu duas mil peças para a H. Stern. E nunca mais a napolitana Francesca Romana quis sair daqui. Na Itália, era aprendiz de ateliê de jóias e começou a ensinar as técnicas às equipes que formou no Rio. “As férias viraram definitivas, e mesmo meus pais, que se surpreenderam no princípio, acabaram entendendo minha decisão, quando vieram me visitar”, conta agora, 25 anos depois da mudança, a designer que explora os materiais nacionais com referências na arte e nos pontos turísticos cariocas. 

Depois de algumas mudanças na marca, devido a mudanças pessoais, Francesca celebra cinco anos de renovação com 24 lojas, duas delas em Paris – a da Rue de Longchamps é igualzinha à de Ipanema -, uma em Madri e uma em Bruxelas. A do Iguatemi, inaugurada há três meses, fornece o termômetro de agrado das paulistanas. “No ano que vem pretendo me embeber mais de São Paulo, sou influenciada demais pelo Rio de Janeiro. As cidades têm estas diferenças: no Sul, por exemplo, é preciso ter mais brilho”, conta, enquanto mostra as novidades na flagship de Ipanema, quase esquina da Aníbal de Mendonça. As pulseiras rígidas, com a fitinha do Bonfim e pingentes de sorte, os relógios com a calcada de Ipanema no mostrador. Entre as preferidas, destaca a coleção permanente de braceletes com fotos de um livro editado por João de Orleans e Bragança, vista no pulso de Kate Moss. O momento Brasil-Itália, festejado neste ano, merece o cordão tipo escapulário, com Cristo Redentor e o Coliseu de Roma. “Só os italianos compram...”, revela.

As brasileiras adoram o colar metalizado, de grandes paetês quadrados, usado pela atriz Carolina Ferraz em O Astro. Talvez as consumidoras ignorem o que este colar significa para o planeta, ele é feito de pedacinhos de garrafa peto reciclada e metalizada, sua inspiração bateu quando Francesca assistiu ao filme Lixo Extraordinário, de Vik Muniz.  

Para o verão, anda montando belas vitrines com as coleções floridas, feitas em borracha por Marzio Fiorini. “São lindas para a praia e piscina, e se mantem muito bem, desde que fiquem longe de perfumes em spray, que deixam a borracha rígida”. Outro sucesso de verão é a linha de shambalas, pulseiras multicoloridas, que misturam pérolas, contas verdes, strass e pedras, por preços desde R$ 150. As turquesas, hits da temporada, colorem pulseiras, colares e anéis.

Na temporada de lançamentos de inverno. Francesca vai desfilar no Senac Rio Fashion Business, para mostrar a coleção baseada na Dolce Vita, com muita inspiração nas jóias italianas. E pérolas de água doce, sempre presentes no inverno. Mesmo neste estilo clássico, há inovação, porque veremos cordões de 2,5m de pérolas coloridas, violetas, verde-musgo e bordô, que devem custar a partir de R$ 820.