Estilo dois em um inova no Sul

Rendas e transparências provocam a criação de bases que escondem o corpo

Lançamentos de moda têm etapas diferentes. Primeiro, saem as tendências, até dois anos antes da estação a que se destinam. Por exemplo, o inverno de 2013 já está com cartelas de cores e temas definidos pelos pesquisadores. Em seguida, acontecem os desfiles de criadores ou de marcas formadoras de opinião: são as semanas de moda, em que ideias mais ousadas convivem com peças comerciais, com detalhes de acordo com as previsões. Na terceira etapa, é a vez dos salões e feiras, que diluem e confirmam, como um filtro, todas as propostas anteriores. Neles, trata-se de milhares de peças em cada pedido de lojistas, situação distante do evento de imagem.

Nesta semana, a Fenim de verão 11/12, grande feira e moda realizada em Gramado, cumpriu seu papel de confirmações e negações de tendências. Enquanto macacões e macaquinhos garantiram o lugar nos guarda-roupas de verão, as pantalonas ocuparam poucos cabides nos estandes. As color blocks, combinações de cores fortes em um look só, também sabiamente foram passadas para trás pelos brancos e as estampas florais, ainda no gênero Liberty. Sem falar no comprimento midi, desbancado pelas saias decididamente longas.

Rendas mínimas – Este é o ponto de encontro das várias etapas da inovação: a renda. Prevista há três anos nas feiras têxteis internacionais, principalmente na Prémière Vision, em Paris, a renda deve dominar as vitrines de verão, desde as lojas populares até as grifes do luxo. Vencido o preconceito contra o medo de ser um tecido antigo, as chantillys e guipures estão avançando em camisetas, tops, vestidos ou em detalhes mínimos de mangas e decotes. Junto com o tule, agora em versão com Lycra, esta matéria exige algo mais, na hora de vestir.

            Como Bárbara Russowsky, da marca Muy Guappa, destaca na sua coleção. “Temos muitas duas peças, como os macaquinhos com sobressaia, os vestidos com body, a renda com uma base que disfarça a transparência”, contou, mostrando as montagens no espaço que ocupou como um novo talento do Rio Grande do Sul. O projeto de Eduardo Santos revelou bons designers em moda masculina, acessórios e moda praia, a maioria com preocupação ambiental, utilizando tecidos de pet ou reciclagem de couros das fábricas de calçados do estado.

Modelo: Gabriela Lucena