Fim do Esporte Interativo deixa clubes apreensivos

O fim das atividades dos canais Esporte Interativo (EI), anunciado ontem, pegou todo mundo de surpresa. Principalmente os clubes da Série A que romperam com a Rede Globo e assinaram com ao EI para a exibição de seus jogos no Campeonato Brasileiro, a partir do ano que vem. São eles: Palmeiras, Internacional, Santos, Bahia, Ceará, Paraná e Atlético-PR.

No comunicado em que anunciou o fim das atividades, o EI diz que as transmissões dos jogos do Brasileiro até 2021 estão garantidas, assim como as da Ligas dos Campeões. A exibição das partidas acontecerá nos canais Space e TNT, que fazem parte do Grupo Turner, dono do EI. 

“Se forem confirmadas as informações prévias que a gente tem, somadas aos problemas já identificados anteriormente no contrato, o Bahia vai buscar a rescisão via arbitragem. Tudo isso com as respectivas indenizações, para proteger o patrimônio e a imagem do clube”  afirmou Guilherme Bellintani, presidente do Bahia, ao site UOL.

O Santos já começou a esmiuçar o contrato com o EI para encontrar brechas que permitam a rescisão sem o pagamento da multa de R$ 200 milhões  prevista no acordo. Palmeiras, Internacional e Atlético-PR vão esperar o desenrolar dos acontecimentos para se posicionar.

Um dos motivos para o fim do Esporte Interativo seria a aquisição da Turner pela AT&T, gigante de telecomunicações americana e proprietária da operadora SKY. Para se adequar às leis brasileiras, é necessário que o grupo reduza a operação para não ser acusado de abuso de poder econômico. Ficou decidido, então, que não valeria a pena manter uma marca local, como o Esporte Interativo, e colocar em risco um acordo mundial. Outra razão seria a necessidade de efetuar corte nos custos.