Apesar dos problemas do Vasco, Pikachu se destaca como artilheiro

A temporada do Vasco até agora é feita de altos e baixos, com mais baixos do que altos. Mas um jogador está passando incólume por esta oscilação. Aos 26 anos, Yago Pikachu é hoje uma unanimidade em São Januário. É artilheiro da equipe, ídolo da torcida e muita gente, entre eles o técnico Jorginho, já acha que o meia está merecendo uma chance na seleção brasileira.

O apelido Pikachu pode ser um obstáculo para o reconhecimento do talento e da eficiência do jogador paraense.  Mas os números mostram que ele tem todo o direito de sonhar com uma convocação. Até agora, em 38 jogos disputados este ano, marcou 16 gols – em 2017, Nenê foi o goleador com 11 gols. Pikachu está a quatro de sua melhor marca.  Em 2015, o paraense marcou 20 gols jogando pelo Paysandu. 

A seleção é um sonho, mas não o único. Recentemente, Pikachu trocou de empresário. Quem cuidava da sua carreira era o pai, Carlos Lisboa. Agora a carreira está nas mãos do experiente e controverso Carlos Leite, um dos maiores do Brasil. A mudança tem um objetivo. “Sonho em ir para a Europa. Mas tenho que fazer minhas coisas bem aqui. A troca de empresário não muda nada. Sempre fui empresariado pelo meu pai, mas hoje o futebol envolve muitas  coisas”, afirmou.

Amanhã, o Vasco recebe a LDU, pela Copa Sul-Americana.