Federer e Serena buscam ampliar reinado em Wimbledon; Nadal quer superar oitavas

Conseguirá Roger Federer defender seu título em Wimbledon? Com quase 37 anos, o maestro suíço se propôs o desafio, que não consegue realizar desde sua época mais hegemônica, e terá em Rafael Nadal um grande empecilho, apesar do espanhol não superar as oitavas desde 2011.

Vencedor de 20 torneios Grand Slam, Federer não consegue vencer dois títulos consecutivos desta categoria desde 2007. Agora, busca o nono título no mítico gramado londrino após repetir a estratégia que fez no ano passado, abdicando da temporada no saibro para descansar.

A conquista em 2017 encerrou cinco anos de seca em Wimbledon, com uma sequência imaculada sem ceder nenhum set sequer. Federer se tornou o único tenista da história a vencer oito vezes o torneio.

Sua preparação para o Grand Slam foi brindada com o título em Sttutgart, o 98º da carreira. Mas em Halle o croata Borna Coric derrotou Federer na decisão e para impedir mais uma conquista suíça, que acabou perdendo a liderança do ranking ATP para Nadal.

"Só acho que é normal jogar como hoje quando se joga mais ou menos 12 dias consecutivos e muitos jogos", relativizou Federer.

A estreia de Federer vai ser contra o sérvio Dusan Lajovic.

- Nadal e as oitavas de final -

Nadal quer se colocar no caminho para arruinar os planos de Federer.

Aos 32 anos e com 17 títulos dos principais torneios, o espanhol não pode perder oportunidades de se aproximar de Federer como tenista com mais títulos de Grand Slam na história. "El Touro Miúra" venceu três dos últimos cinco campeonatos deste nível.

"As expectativas são sempre altas. Não estou aqui para jogar o torneio, estou aqui para tentar um bom resultado", confessou Nadal, que inicia o caminho contra o israelense Dudi Sela.

Entre o 11º título em Roland Garros e Wimbledon, Nadal não disputou nenhum torneio. O espanhol venceu em Wimbledon em 2008 e 2010, mas não supera as oitavas de final desde a final perdida para Novak Djokovic, em 2011.

O sérvio, que busca seu melhor nível após dois anos de luta contra lesões, demonstrou melhora ao chegar à final do torneio de Queen's. Djoko acabou perdendo para o croata Marin Cilic.

Já o escocês Andy Murray declarou neste domingo que não vai participar de Wimbledon, um dia depois de confirmar sua presença, mostrando-se prudente com o estado de sua forma e afirmando que deveria "levar as coisas um dia após o outro".

Operado em janeiro, o bicampeão em Wimbledon voltou às quadras no dia 18 de junho após quase um ano fora do circuito. Em Queen's, foi superado pelo australiano Nick Kyrgios. Em Eastbourne, eliminou o suíço Stan Wawrinka mas foi eliminado pelo compatriota Kyle Edmund.

- Serena sonha com oitavo título -

Recuperada de lesão no peitoral em Roland Garros, a americana Serena Williams quer mostrar ao que veio em busca do oitavo título em Wimbledon. A tenista, que caiu ao 183º lugar no ranking WTA após o nascimento da filha em setembro, recebeu convite para ser uma das cabeças de chave da competição.

"Fiquei felizmente surpreendida. Cheguei aqui sem esperar ser cabeça de chave. Vocês sabem que estou aqui para dar o melhor de mim. Acho que foi muito nobre, honesto e incrível", disse Serena neste domingo.

Serena busca o 24º título de Grand Slam, que se vier no gramado de Londres a colocará empatada ao lado da recordista australiana Margaret Court. A estreia da americana será contra a holandesa Arantxa Rus.

Já a russa Maria Sharapova também volta ao torneio após dois anos sem disputar uma partida no All England Club. Em 2016, ficou afastada por suspensão por doping, enquanto na temporada passada acabou fora por lesão.

A atual líder do ranking, a romena Simona Halep, busca em Wimbledon seu segundo título de Grand Slam, após levantar o título de Roland Garros.

ll/dmk/iga/am/fa