Andressa de Morais termina em quarto no lançamento de disco da Diamond League

A brasileira Andressa Oliveira de Morais garantiu nesta sexta-feira o quarto lugar no lançamento de disco na primeira etapa da Diamond League, que acontece em Doha, no Catar. Ela alcançou sua melhor marca da temporada com 63,77 metros.

Por apenas três centímetros a brasileira ficou fora do pódio. A cubana que ficou com o bronze atingiu a marca de 63,80m. O ouro foi para a croata Sandra Perkovic, bicampeã olímpica e bicampeã mundial, com 71,38m. A cubuna Yaimé Pérez, ficou com a prata, com 66,82m.

Andressa de Morais é a atual recordista sul-americana do lançamento de disco com marca de 64,68m. Sua melhor performance aconteceu no ano passado, no Campeonato Sul-Americano de Atletismo, disputado em Assunção, no Paraguai. Também em 2017 ela foi finalista no Mundial de Londres.

SEMENYA VENCE MAIS UMA - Também nesta sexta-feira, a sul-africana Caster Semenya dominou os 1.500 metros em Doha. Bicampeã olímpica na modalidade, ela completou a prova em 3min59s92, alcançando a melhor marca mundial do ano. A queniana Nelly Jepkosgei, com o tempo de 4min00s99, terminou em segundo lugar e a etíope Habitam Alemu ficou com o bronze ao completar a prova em 4min01s41.

Semenya está no centro da principal polêmica do atletismo na atualidade. Após testar três vezes com alto nível de testosterona, ela deve ser a principal afetada pelas novas regras impostas pela Associação Internacional das Federações de Atletismo (IAAF, na sigla em inglês). A partir de novembro haverá limite ainda maior para os níveis de testosterona para mulheres que competirem em provas que vão dos 400m aos 5 mil metros.

DOMÍNIO QUENIANO - O bicampeão olímpico e tricampeão mundial nos 800 metros, o queniano Emmanuel Korir, manteve o favoritismo e venceu nesta sexta-feira os 800 metros. Ele completou a prova em 1min45s21. O pódio foi completado por seus compatriotas. Elijah Manangoi ficou com a prata e Nicholas Kipkoech terminou com o bronze.

A disputa mais acirrada do dia aconteceu nos 3.000 metros femininos. E mais uma vez a prova terminou com domínio queniano. Caroline Kipkirui terminou quatro décimos de segundo à frente da compatriota Agnes Tirop e garantiu o ouro. Hyvin Kiyeng fechou o pódio da prova.

Nos 100 metros, Marie-Josee Ta Lou, da Costa do Marfim, ficou com a medalha de ouro ao bater a atual campeã olímpica, a jamaicana Elaine Thompson, que terminou com o bronze. A prata ficou com a nigeriana Okagbare-Ighoteguonor.