Dirigente da Fifa recomenda expulsão da Grécia de torneios internacionais

Relatório enviado por Herbert Huebel, presidente do comitê da entidade que fiscaliza a Federação Grega, indica que os times e as seleções sejam punidos

O presidente do comitê da Fifa para fiscalizar a Federação Grega de Futebol, Herbert Huebel, indicou a expulsão dos clubes do país e das seleções de competições internacionais.

- A situação atual não permite que a federação garanta o bom funcionamento das competições nacionais - afirmou Huebel, em relatório divulgado nesta quinta-feira pela imprensa grega.

Por ora, a suspensão de competições continentais não passa de uma possibilidade, uma vez que a decisão do Comitê da Fifa só ocorrerá em maio ou junho. Com isso, a Grécia terá a chance de resolver os problemas internos do futebol.

No relatório, o dirigente cita "repetidos incidentes de violência nos estádios, da lentidão na hora de resolver conflitos, de comunicar e iniciar as decisões tomadas, assim como a não implementação efetiva das recomendações que o comitê emitiu em fevereiro".

O estopim da crise no futebol da Grécia foi a invasão de campo do presidente do PAOK, Ivan Savvidis, que estava armado, no clássico diante do AEK.

- É a segunda vez nos últimos dois anos que o campeonato nacional fica suspenso por razões relacionadas com a violência - explicou Huebel.

Devido à atitude de seu presidente, o PAOK perdeu três pontos no Campeonato Grego e Savvidis foi proibido de entrar em um estádio por três anos, além de ter que pagar uma multa de 100 mil euros (cerca de R$ 410 mil).