Tavecchio se nega a renunciar e aumenta crise no futebol

Seleção italiana não se classificou para a Copa de 2018

Pressionado pelo vexame da seleção italiana não ter se classificado para a Copa do Mundo de 2018, o presidente da Federação de Futebol do país (FIGC), Carlo Tavecchio, anunciou que não renunciará ao cargo. 

O cartola tem sido duramente criticado por dirigentes e atletas. "Carlo Tavecchio nos comunicou que não pretende deixar a presidência da FIGC", disse Damiano Tommasi, diretor da Associação Italiana de Jogadores , deixando antecipadamente a reunião convocada para hoje (15) por Tavecchio.

Tommasi defendeu a convocação de eleições. "Talvez seja organizado em breve um conselho federal para tomar uma decisão", contou. Tavecchio, de 74 anos de idade, está à frente da FIGC desde 11 de agosto de 2014. Em março deste ano, ele foi reelito presidente para um segundo mandato. 

O atual treinador da seleção italiana, Giampiero Ventura, também tem se recusado a renunciar ao cargo. Enquanto isso, cresce a pressão para que seja feita uma reforma na direção da federação italiana, dando espaço para profissionais jovens. O técnico Carlo Ancelotti também tem sido cotado para assumir a Azzurra.

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.
Saiba mais