Brasil deve fechar eliminatórias contra o Chile no Maracanã

A Seleção brasileira, já classificada para o Mundial da Rússia, ainda tem mais quatro jogos pelas eliminatórias sul-americanas. Dois deles fora de casa (Colômbia e Bolívia). Os outros (Equador e Chile) vão ser disputados em estádios que receberam partidas na Copa do Mundo de 2014. A CBF ainda não bateu martelo, mas, internamente, todos já dão como certo que a Seleção vai encerrar a participação no torneio classificatório no Maracanã – contra o Chile, em 10 de outubro.

Restariam outras quatro arenas da Copa para a definição do local do jogo de 31 de agosto com o Equador – Beira-Rio, Arena da Baixada, Arena Pantanal e o Estádio Mané Garrincha, em Brasília.

O Beira-Rio tende a ser a opção, embora não esteja descartada a Arena do Grêmio. A CBF atenderia assim a um pedido do técnico Tite, de fazer um jogo no Rio Grande do Sul.

Como o Beira-Rio pertence ao Internacional e recentemente o clube se indispôs publicamente com a direção da CBF, não será surpresa se houver a indicação do estádio do Grêmio. A questão política também deixaria para trás a Arena da Baixada, outro estádio privado, cujo dono, o Atlético-PR, é um dos clubes que mais cobram transparência à gestão de Marco Polo Del Nero à frente da confederação.

Os demais sete estádios da Copa – Arena Amazônia, Castelão, Fonte Nova, Arena das Dunas, Arena Pernambuco, Arena Corinthians e Mineirão – já receberam a Seleção para compromissos das eliminatórias.

A intenção da CBF, manifestada ainda em 2015, era de levar um dos jogos das eliminatórias para o Maracanã. Pretendia escolher a partida que pudesse definir a classificação do Brasil ao Mundial. Mas, com a campanha surpreendente da equipe sob comando de Tite e a sequência de vitórias do time, a vaga veio mais cedo do que se esperava e isso ‘atrapalhou’ os planos da CBF, quanto ao uso do Maracanã.

O único obstáculo, no momento, para a confirmação da partida contra os chilenos no estádio diz respeito às condições do gramado – assunto que já vem sendo tratado entre a CBF e a concessionária responsável pela administração do Maracanã.