Corinthians pode terminar com vaga direta na Libertadores

Em meio a contas, "secadas" e necessidade de uma vitória contra o já despreocupado Cruzeiro, neste domingo, às 17h (de Brasília), no estádio do Mineirão, o Corinthians, que nem sequer está garantido na pré-Libertadores de 2017, pode assegurar uma vaga já na fase de grupos do torneio ao final da última rodada do Campeonato Brasileiro.

A possibilidade foi aberta após a Conmebol confirmar que o Brasil herdaria uma das vagas diretas à competição deixadas pelos clubes mexicanos, fazendo com que o Atlético-MG, quarto colocado, garantisse o posto no torneio. O Galo, por sinal, é parte fundamental nessa busca corintiana, e deve receber o apoio da Fiel já na noite desta quarta-feira.

Em desvantagem na final da Copa do Brasil após perder por 3 a 1 dentro de casa, os gaúchos precisariam vencer por três gols de diferença para levar a taça em plena Arena do Grêmio no tempo normal. Triunfo por dois gols leva a decisão para os pênaltis. Caso Victor, Robinho e companhia, os mineiros não precisariam utilizar a vaga direta no Brasileiro, dando esse privilégio ao quinto colocado.

É aí que entra a segunda parte, já conhecida dos alvinegros. Na rodada derradeira do Brasileiro, o clube, que tem 55 pontos conquistados, pode alcançar o quinto posto do torneio se ganhar da Raposa, fora de casa, e Atlético-PR e Botafogo não vencerem os seus compromissos. O Furacão recebe o vice-líder Flamengo, enquanto os cariocas visitam o Grêmio.

"São três jogos equilibrados, para mim. Nós e o Cruzeiro lá, equipe sempre forte, bem montada, não sei o quanto eles vão estar focados, porém. Atlético e Flamengo, na Arena é sempre complicado ganhar deles lá, mas o Flamengo quer ficar em segundo. Grêmio e Botafogo pode ser um jogo que o Grêmio vá comemorando ou com a perda do titulo em casa. Mas a gente confia que sejam três jogos difíceis, equilibrados", analisou o lateral esquerdo Uendel.

Ciente da possibilidade de dar um 2017 bem mais tranquilo para o Corinthians com a participação na Libertadores, Uendel ainda reconheceu que o técnico do Cruzeiro, Mano Menezes, rejeitado pela atual diretoria após a saída de Tite, é um dos maiores empecilhos do duelo.

"Vamos tentar fazer a nossa parte primeiro, temos que vencer o nosso jogo. O Mano (Menezes) sempre arma boas equipes. Vamos tentar vencer e, na hora que acabar, ver o resultado dos outros para saber se deu tudo certo", concluiu o defensor corintiano.