Pagamento feito por Tóquio 2020 gera suspeita de suborno

A candidatura de Tóquio aos Jogos Olímpicos de 2020 - que acabou vencendo a disputa para sediá-los - depositou 1,03 milhão de libras (R$ 5,14 milhões) em uma conta corrente relacionada com o Comitê Olímpico Internacional (COI), o que levantou dúvidas sobre o processo de escolha, informou nesta quarta-feira o jornal "The Guardian".

Durante o processo, a candidatura do país fez o depósito em uma conta ligada a Massata Diack, filho do senegalês Lamine Diack, ex-presidente da Federação Internacional de Atletismo (IAAF) e membro do Comitê Olímpico Internacional (COI) de 1999 a 2013.

Segundo o "Guardian", as transações estão sendo investigadas pela polícia francesa.

Perguntado sobre o pagamento, finalizado assim que Tóquio conquistou o direito de sediar os Jogos de 2020, o Comitê Olímpico Japonês (JOC) disse que sua equipe de imprensa estava "de férias e que não podia responder".

"O Comitê Organizador de Tóquio 2020 não tem como saber se estas acusações são certas. Acreditamos que Tóquio ganhou os Jogos porque apresentou a melhor candidatura", afirmou Hikakiro Ono, porta-voz do Comitê.

A escolha de Tóquio pelo COI aconteceu em 7 de setembro 2013 em Buenos Aires. A candidatura da capital japonesa superou as concorrentes Madri e Istambul.