CBF crê que árbitro de vídeo pode ajudar a inibir simulação

Alvo de diversas críticas relacionadas à arbitragem no decorrer do último Brasileirão, a CBF comemorou a liberação da Fifa, comunicada no último sábado, para testar o uso de vídeos como tira-teima durante os jogos. O presidente da comissão de arbitragem, Sérgio Corrêa, crê que o auxiliar de vídeo inibirá, inclusive, condutas antiéticas dos atletas.

Atribuindo a luta da CBF pelo acesso aos vídeos ao ex-árbitro Manoel Serapião Filho, Corrêa festejou a aprovação da Fifa, que liberou o recurso para testes até 2017. “Com a aprovação, não temos dúvida que o passo será gigantesco. Teremos um outro futebol, assim como nós tivemos quando aconteceu a alteração de outras regras, como a linha de impedimento”, falou à CBF TV.

Defensor da figura do árbitro, Sérgio Corrêa admitiu que tal medida deve eximi-lo de assumir responsabilidades que não lhe cabem. “Teremos a possibilidade de dar ao ser humano árbitro aquela situação a mais que impeça ele de ser culpado por algum lance que ele não tenha visto”, reconheceu, reforçando que preza, apenas, pelo bom espetáculo.

“Vai inibir também várias ações antiéticas dos jogadores, como a simulação – aquele famoso jeitinho de enganar a arbitragem. Ao ter alguém acompanhando as jogadas por vídeo, é possível dar aos jogadores a segurança necessária para um bom espetáculo”, reforçou o presidente da comissão de arbitragem da CBF.

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.
Saiba mais