Aluno dedicado, Denis cogita bater faltas no São Paulo

Denis não gosta de falar muito sobre o assunto, mas, sempre que termina a rotina de atividades determinada pela comissão técnica, costuma praticar um pouco nas cobranças de falta. Temeroso pela possível comparação com Rogério Ceni também na hora de ir à frente e tentar a sorte nas infrações, ele diz que não deve se arriscar nos primeiros momentos como titular do Tricolor. Depois, porém, não descarta testar a pontaria.

"Não gosto muito de falar, não gosto muito que filmem, mais pela comparação. Eu tenho interesse. Num primeiro momento, não, porque eu procuro substituir o Rogério bem debaixo das traves. Mas também não descarto que, mais para frente, quando conseguir provar meu valor como goleiro, eu possa tentar", explicou o jogador de 28 anos, justificando seu pensamento com um raciocínio simples.

"Se eu tiver um aproveitamento melhor a cada dia nos treinos e sentir que a minha batida na bola está realmente em um nível bom para testar no jogo, por que não ajudar o São Paulo também batendo falta como o Rogério ajudou durante a carreira dele?", questionou.

Admirador confesso da carreira e do estilo de Ceni, Denis reconhece que sua vontade de bater falta só apareceu ao conhecer o capitão. Logo que chegou ao clube, em 2009, para ser a terceira opção na posição (Bosco era o primeiro reserva), ele começou a ser "doutrinado" pelo ídolo são-paulino.

"Goleiro do São Paulo tem que primeiro saber bastante jogar com os pés. O Rogério me ensinou isso nesses anos. Ele é o pioneiro, é o goleiro que melhor sai jogando com os pés. Procurei pegar os toques dele", revelou. Para o camisa 12, no entanto, Ceni tem uma característica mais marcante do que a habilidade com os pés.

"A liderança dele (é o que mais chama a atenção). Acho que o goleiro tem que falar bastante por estar lá atrás, vendo o jogo, orientar os companheiros. Cada coisa que eu aprendi com o Rogério, e eu aprendi muito, vou procurar fazer da melhor forma possível", encerrou.