Romário teme que Marin volte ao Brasil para fazer depoimento

Senador pelo PSB-RJ e presidente da CPI do Futebol, Romário tem se mostrado disposto a investigar a corrupção no esporte. O ex-jogador revelou que seu próximo passo será ouvir o ex-presidente da CBF, José Maria Marin, na prisão de Zurique, na Suíça. Em entrevista ao jornal O Estado de S.Paulo, o parlamentar afirmou que teme que o cartola deponha no Brasil e se livre da extradição para os Estados Unidos.

“Se eu receber um requerimento para ouvi-lo aqui, vou rasgar em público”, deixou avisado. “Pode ter certeza de que quem fizer este requerimento, está ganhando algo por fora”, completou o senador.

“Vamos montar uma missão e viajar até Zurique, mas não queremos que ele volte ao Brasil. Sabemos o que vai acontecer se ele viajar”, explicou Romário, se referindo à impossibilidade de extradição caso Marin volte ao Brasil.

Em contrapartida, o presidente da CBF, Marco Polo Del Nero, não deixou o país desde que retornou da Suíça às pressas logo após a eclosão do escândalo da Fifa, em maio. O mandatário, que ainda não teve seu nome envolvido nas investigações da justiça americana, teme que surja alguma acusação e de que possa ocorrer um pedido de prisão e até mesmo de extradição.

Além do dirigente, Ricardo Teixeira, que permaneceu na presidência da CBF por 23 anos, será chamado para dar explicações em Brasília. A CPI do Futebol também irá convocar Joseph Blatter, mandatário da Fifa, e Jerome Valcke, secretário-geral do órgão, para depor.