"A Fifa é o câncer maior do futebol", dispara Romário

Presidente da CPI do futebol, o senador Romário partiu para o ataque como fazia com os zagueiros na época de atacante. O ex-jogador não mediu críticas para apontar os erros cometidos no futebol brasileiro e mundial e demonstrou preocupação com o futuro diante dos escândalos envolvendo as principais autoridades do esporte.

“É difícil apontar alguém de confiança para comandar a Fifa. Não tenho nenhum nome que possa melhorar o futebol. A Fifa é o câncer maior do futebol e abaixo dela vem a Concacaf e a Conmebol. Infelizmente, a CBF está no mesmo nível. Não tenho interesse em assumir a CBF. Depois do meu mandato, quem sabe. Minha luta é para moralizar o futebol e vou seguir assim”, avisou o presidente da CPI, que quer usar as investigações parlamentares para dar um norte do futebol brasileiro.

“Na presidência da CPI, tenho mais uma vez a oportunidade de ajudar o futebol. Devo muito ao futebol, mas tenho consciência que fiz minha parte e vou lutar muito para fazer fora dele, presidindo a CPI”, destacou Romário.

Os resultados ruins da Seleção Brasileira nos últimos anos viraram motivo de preocupação do tetracampeão mundial, que acredita que o foco da CBF mudou.

“A Seleção está cada vez pior, virou um balcão de negócios e se continuar este grupo, isso vai continuar. Minha briga é para tirar estas pessoas e colocar pessoas decentes e que deram muito ao futebol. O respeito pelo futebol brasileiro é muito pouco”, criticou o senador, que aproveitou para se defender da acusação da revista Veja de que tem uma conta não declarada à Receita Federal na Suíça.

“Estou muito feliz, comemorei com a minha família e desconheço esta conta, mas vou lá e me atualizar. Se o dinheiro for meu, vou pegar os R$ 7,5 milhões”, ironizou Romário.

Nos primeiros jogos das Eliminatórias, Neymar não poderá atuar, a não ser que a CBF consiga um efeito suspensivo para contar com o craque. Para Romário, o atacante do Barcelona é o último sopro de esperança por dias melhores no futebol brasileiro.

“Temos que sempre torcer para o Neymar estar bem para que ele seja o grande nome. No atual momento, ele é o único que tenho esperança. Futebol que está sendo jogado na Série A está bem inferior à B. Não vejo nada moderno, qualidade, parte tática, nenhuma evolução e isso reflete na Seleção Brasileira”, disse o ex-jogador, que ganhou um motivo para sorrir: a volta do América à elite do futebol carioca.

“América tem que fazer um time competitivo e achar jogadores de qualidade, mesmo com tantas dificuldades. Não foi o melhor time da segunda divisão, mas honrou a camisa e é isso que tem que acontecer”, alertou Romário.