Brasil vira na prorrogação e se consola com bronze no Pan

Seleção de futebol masculino perdia do Panamá até "ganhar" pênalti polêmico

A equipe comandada por Rogério Micale foi para a disputa do bronze após ser derrotada pelo Uruguai há dois dias, quando levou dois gols em dois minutos já no fim para ficar fora da final.  Brasil e Panamá já haviam se enfrentado pela última rodada da primeira fase da competição. Na época, a Seleção chegou a abrir 3 a 0 de vantagem, mas relaxou e cedeu o empate por 3 a 3 para o rival.

Com a vitória desta vez, o Brasil pelo menos volta a medalhar no futebol masculino após dois Pans sem sequer chegar à semifinal – a última vez dos homens no pódio ocorreu em 2003, com a prata em Santo Domingo. A final entre México e Uruguai ocorre apenas neste domingo.

O primeiro tempo já mostrou que o jogo não seria fácil. Tanto para quem assistia quanto para a Seleção Brasileira. Em partida de nível técnico quase nulo, a equipe nacional até chegava mais ao ataque, mas se enrolava no último passe. O Panamá cresceu nos últimos minutos, chegou a perder um pênalti marcado de forma discutível e ainda abriu o placar já nos acréscimos da etapa inicial.

Você pode pensar: “ah, agora o Brasil vai voltar com mais vontade no segundo tempo e mostrar a superioridade da camisa, né?”. Não. A Seleção quase não criou e ainda viu os panamenhos assustarem em contra-ataques. Mesmo assim, o time nacional contou com uma grande ajuda do juiz jamaicano Valdin Legister, que viu pênalti polêmico em Luciano aos 30mim – o corintiano mesmo bateu e conferiu. O Brasil ainda só escapou de derrota graças a bola no travessão por cobertura dos adversários perto do fim.

Prorrogação

A Seleção Brasileira chegou a tomar sustos na prorrogação, mas ainda assim conseguiu fazer o básico para sair com o triunfo. Aliás, mais do que o básico: o atacante Lucas Piazon, que entrou no segundo tempo, fez jogada individual e acertou linda finalização de pé direito para dar a medalha de bronze para o time nacional.  Luciano ainda aumentou o placar pouco após o Panamá quase fazer um gol olímpico.