Pan: seleção de basquete vence e põe pé na semifinal

Não foi a mesma facilidade da partida de estreia contra Porto Rico, mas a Seleção Brasileira masculina de baquete pode falar que em momento algum foi ameaçada de verdade pela Venezuela. Ficando à frente do marcador desde o início, os comandados de Rubén Magnano passaram pelos rivais sul-americanos, por 79 a 64, nesta quarta-feira, no Ryerson Athletic Centre.

O resultado coloca a Seleção Brasileira praticamente na semifinal dos Jogos Pan-Americanos de 2015. A equipe verde e amarela só fica fora dos quatro primeiros se os Estados Unidos forem surpreendidos pela equipe de Porto Rico, na partida que acontece nesta quarta-feira à noite. Como o Brasil ganhou com facilidade de Porto Rico e os americanos atropelaram os venezuelanos, este resultado deve ser difícil de acontecer.

Se tudo correr como planejado, Brasil e Estados Unidos se enfrentam nesta quinta-feira, às 22h (horário de Brasília), para decidir quem fica em primeiro e quem fica em segundo do grupo.

A provável ida à semifinal, além de deixar a Seleção Brasileira com um olhar mais próximo do pódio em Toronto, já coloca o time com uma campanha melhor do que obteve em Guadalajara 2011. Naquela ocasião, Magnano contou com muitas ausências de última hora por dispensas e lesão e, praticamente sem treinamento, viu a equipe terminar apenas na quinta colocação. Em entrevista ao Terra Olímpicos , o treinador ressaltou que a preparação desta vez havia sido muito melhor do que há quatro anos.

Na partida desta quarta-feira, a Seleção Brasileira fez um primeiro quarto praticamente impecável contra os venezuelanos. Com marcação sob pressão de Rafael Luz e Vitor Benite, os brasileiros proporcionaram diversos erros aos rivais e foram abrindo larga vantagem, principalmente graças à atuação dos dois armadores. Não por acaso, os primeiros 10 minutos terminaram 22 a 9 para a equipe nacional.

No segundo quarto, Magnano promoveu o revezamento da equipe e mesmo caindo um pouco de produção, o time brasileiro ainda saiu em vantagem no quarto, indo para o intervalo com uma diferença de 14 pontos. A situação mudou após o intervalo. Puxados pelo cestinha do time John Cox, os venezuelanos passaram a dar trabalho e diminuíram a diferença para 11 pontos no fim do terceiro quarto.

Irritado, Magnano chamou a atenção dos seus jogadores antes dos dez minutos finais. Mesmo assim não surtiu efeito, os venezuelanos cresceram na partida e chegaram a diminuir a diferença para sete pontos. Foi aí que apareceu a experiência e habilidade do armador Larry Taylor para acalmar a equipe brasileira, aumentar novamente a diferença no placar e garantir a invencibilidade do time verde e amarelo na competição.