Ginástica rítmica garante centésima medalha brasileira no Pan

As meninas da ginástica rítmica brasileira voltaram ao Centro de Exibições de Toronto, nesta segunda-feira (20.07), para o último dia de competições da modalidade nos Jogos Pan-Americanos. Com uma prata no conjunto, desta vez na prova de maças e arcos, e um bronze, de Angélica Kvieczynski na fita, o país se despede do torneio com cinco pódios.

Na primeira final do dia, nas maças, Angélica Kvieczynski fez 15.267 pontos e terminou na quinta colocação. Natália Gaudio, com 13.633 pontos, ficou em oitavo. As americanas Laura Zeng e Jasmine Kerber garantiram o ouro e o bronze, respectivamente. A canadense Patricia Bezzoubenko foi prata.

Na fita, as duas ginastas voltaram a representar o Brasil na decisão. Em rotina muito aplaudida, Angélica Kvieczynski anotou 15.633 e faturou o bronze. A medalha, segunda da paranaense no Pan, foi a centésima brasileira na competição. "Acabei de saber disso, que honra! Essa medalha ia sair ontem ainda, mas veio agora", comemorou.

Angélica havia perdido um bronze no individual geral após pedir revisão em uma de suas notas. "Essa medalha tem gosto de ouro depois de tudo o que a gente passou nessa competição. Entrei na fita com raiva, para cravar a série. Olhei no olho de cada árbitro. Acho que eles bambearam e falaram 'vamos ter que dar a medalha'", brincou. Natália Gaudio terminou na oitava colocação.

Campeãs na categoria geral e nas fitas, as meninas do conjunto brasileiro voltaram a brilhar na prova de maças e arcos. Com 14.692 pontos o Brasil garantiu a prata. "A gente teve uma apresentação muito boa, ficamos felizes com o resultado. Poderia ter sido ouro, mas as americanas foram bem. Foram dois ouros e uma prata, estou saindo megafeliz", comemorou a medalhista Ana Paula Ribeiro. O ouro ficou com os EUA (14.983) e o bronze com o Canadá (13.709).