Filha diz que Blatter foi vítima de conspiração

Corinne saiu em defesa de seu pai, acuado por casos de corrupção

Corinne Blatter, filha do presidente da Fifa, Joseph Blatter, afirmou neste domingo (31) que seu pai foi vítima de uma conspiração para derrubá-lo, referindo-se aos esquemas de corrupção na entidade descobertos pela Justiça norte-americana.    

Segundo ela, o cartola não está entre as pessoas que receberam propinas em troca de contratos no futebol. "Tudo que meu pai ganhou foi trabalhando, e ele é um presidente que trabalha muito", disse Corinne em uma entrevista para a "BBC".   

Reeleito para seu quinto mandato consecutivo no comando da Fifa, Blatter tem sido bastante pressionado para deixar o cargo por conta do escândalo que emergiu na semana passada.   

Na última quarta-feira (27), sete cartolas ligados à entidade foram detidos em Zurique a pedido do FBI, que investiga crimes de extorsão, fraude e lavagem de dinheiro. Entre eles, está o ex-presidente da Confederação Brasileira de Futebol (CBF) José Maria Marin.    

As suspeitas recaem sobre mais de US$ 100 milhões que teriam sido movimentados nos últimos 20 anos no sistema bancário norte-americano. Os valores referem-se a contratos de marketing, direitos televisivos e organização de competições. Marin, por exemplo, teria recebido milhões de dólares em propinas em troca de acordos envolvendo a Copa América e a Copa do Brasil.    

Apesar de Blatter estar sendo investigado, até o momento não há nenhuma denúncia contra ele.