Em artigo, Maradona chama Blatter de 'ditador'

Ex-jogador pediu por mudanças na Fifa a 4 dias das eleições

A quatro dias das eleições para a Presidência da Fifa, o ex-jogador argentino Diego Armando Maradona publicou um artigo no jornal inglês "The Telegraph" nesta segunda-feira (25) onde chama o atual presidente da entidade, Joseph Blatter, de "ditador". "Enquanto eu não encontro nenhum apoio público a Blatter, muitos acreditam que ele será eleito pela quinta vez. Por quê? O conceito de cinco mandatos é um absurdo em 2015 - isso não é aceito em nenhum país democrático. Mas, de alguma maneira, isso está Ok para a Fifa. Nós temos um ditador em vida", escreveu o ex-Pibe de Ouro.

    Ressaltando toda a sua paixão pelo esporte que o consagrou e o quanto o futebol é importante na vida de muitas pessoas, Maradona criticou as últimas gestões de Blatter e diz que, sob seu comando, a entidade virou uma "desgraça e uma dolorosa vergonha para quem se importa profundamente com o futebol".

    O argentino também comentou sobre as várias investigações policiais durante os últimos quatro mandatos do presidente, ressaltando a relação da Fifa com a empresa suíça ISL ("que causou um prejuízo de US$ 100 milhões " para a entidade) e a investigação do FBI sobre a escolha do Catar para a sede da Copa do Mundo de 2022.

    Segundo ele, "há uma admiração doentia por Blatter que lembra muito um velho chefe de Máfia que vive fora da cadeia". Para se manter no poder, o suíço de 79 anos "faz uma administração sem ética, com favorecimentos e financiamentos".

    O ex-jogador ainda lembrou alguns patrocinadores que deixaram de investir na Fifa por causa dos casos de corrupção e chamou Blatter de "incompetente" para gerenciar a instituição.

    "Nós vamos aceitar passivamente essa corrupção? Agora chega! Nós queremos nosso esporte de volta", finalizou o ex- atleta.

    Nas eleições do próximo dia 29, que ocorrem em Zurique (Suíça), Blatter enfrentará um único concorrente, o vice-presidente da entidade e príncipe da Jordânia, Ali Bin Al-Hussein. Ele teria também que enfrentar o ex-jogador português Figo e o presidente da Federação Holandesa de Futebol, Michael Van Praag.

    Porém, ambos desistiram das eleições para reforçar a oposição e porque acreditam que o processo eleitoral só serve para beneficiar o atual mandatário.