Dunga cita plano, mas Neymar vê passagem de faixa "natural" 

As afirmações de Thiago Silva no último domingo fizeram barulho. A polêmica, no entanto, foi enterrada nesta terça-feira, quando o zagueiro, capitão durante a última Copa do Mundo, recebeu a faixa de Neymar quando o atacante foi substituído no fim da vitória por 2 a 1 sobre a Áustria. O técnico Dunga explicou que a ação foi coordenada.

"Como eu disse antes temos uma coisa chamada organização. Tudo é planejado, organizado antes, e as coisas dão continuidade tranquilo. Para vocês alguma coisa pode ser polêmica, para nós foi supertranquilo", explicou o treinador em entrevista coletiva após o amistoso.

Na zona mista do Ernst Happel Stadium, o astro do Brasil não confirmou as afirmações do técnico. "Foi uma decisão minha, com muita naturalidade. Quando vi que ia sair o primeiro nome que veio na cabeça foi o Thiago. Não é porque deixou de ser capitão que eu deixei de chamá-lo de 'capita'. É um grande jogador e um grande amigo, e um cara que manda muito bem com a braçadeira", disse o atacante. Thiago Silva deixou Viena em silêncio, já que ele e os outros dois jogadores do Paris St. Germain, David Luiz e Marquinhos, precisaram deixar o estádio rapidamente.

No domingo, o zagueiro admitiu ter se sentido magoado por Neymar não ter ido falar com ele após a mudança de capitães. Nesta terça-feira, o zagueiro voltou a vestir a camisa da Seleção Brasileira depois da lesão de Miranda, que foi quem desbancou o defensor do PSG entre os titulares. Dunga minimizou o fato de um atleta vestir a faixa e explicou que prefere que surjam líderes dentro do grupo do Brasil.

"Ontem eu falei e volto a repetir aqui, que estamos tentando aflorar líderes, não podemos ter só um dentro a equipe. Então dentro do planejado, das circunstâncias dos jogos, dependendo do momento, determinamos quem vai ser capitão. Mas pra mim o mais importante não é quem usa a faixa de capitão, é quem exerce a liderança mesmo sem ter a faixa de capitão", finalizou.