Após 8 jogos sem vencer na Série A, Kleina deixa Bahia

Durou pouco menos de três meses a era Gilson Kleina no Bahia. Na manhã desta terça-feira, o clube tricolor anunciou que o paranaense de 46 anos não é mais o técnico do time, atual penúltimo colocado do Campeonato Brasileiro. Por meio de sua conta no Twitter, o Bahia ainda informou que, nas últimas cinco rodadas da competição nacional, a equipe será comandada pelo ex-técnico do Sub-20 e antigo auxiliar de Kleina, Charles Fabian.

Gilson Kleina assumiu o comando técnico do Bahia no dia 15 de agosto, pouco antes da 15ª rodada do Campeonato Brasileiro. Na ocasião, o time já estava na zona de rebaixamento para a segunda divisão nacional, mas ocupava a 18ª posição (uma à frente da que está hoje). O treinador havia sido contratado após período longevo no Palmeiras e com a esperança de livrar a equipe tricolor do descenso (algo que ele já não havia conseguido fazer no time paulista em 2012).

A estreia de Kleina aconteceu diante do Corinthians, em Itaquera, e foi promissora, já que o Bahia jogou bem e arrancou um surpreendente empate por 1 a 1. Porém, de lá para cá, o time nordestino não conseguiu engatar nenhuma sequência que o fizesse respirar na luta contra a degola. O melhor momento ocorreu entre as 21ª e a 25ª rodadas, quando venceu quatro de cinco jogos e chegou a figurar na zona intermediária da tabela de classificação.

Contudo, a equipe baiana despencou de vez desde então e se afundou na 19ª colocação do Brasileiro. Já são oito jogos sem vitórias e três derrotas consecutivas. A última delas aconteceu diante do modesto Goiás, por 3 a 0, no Serra Dourada, que fez o time estacionar nos 31 pontos e, a cinco rodadas do fim da competição, encontrar-se a exatamente cinco pontos da saída da zona do rebaixamento. Segundo o matemático Tristão García, as chances de descenso do Bahia são, neste momento, de 92%.

Kleina deixa o Bahia com seis vitórias, sete empates e dez derrotas em 23 partidas disputadas (36% de aproveitamento). Neste período de três meses à frente da equipe nordestina, além de não ter conseguido livrá-la do perigo do rebaixamento, o técnico ainda acumulou uma eliminação traumática nas oitavas de final da Copa Sul-Americana após derrota nos pênaltis para o fraco Universidad César Vallejo, do Peru.