Unilever Vôlei vence e está na final do Mundial de Clubes

O fator casa não pesou para o Unilever Vôlei na semifinal do Mundial de Clubes, na Suíça. Diante do Volero Zurich, o time comandado por Bernardinho impôs seu jogo, venceu por 3 sets a 0 (25/23, 25/20 e 25/16) e garantiu um lugar na decisão da competição, diante do VakifBank Istanbul, que venceu o Evergrande, da China, na outra semi. A final será disputada às 12h (horário de Brasília).

Melhor de uma gripe que a acompanha há pelo menos uma semana, Fofão esteve em quadra desde os minutos iniciais e pôde ajudar o Unilever Vôlei a conquistar uma vaga na decisão. Lugar onde a levantadora já esteve, em 2010, quando atuava com o Fenerbahce e levou o título.

“Realmente ainda estou me recuperando, mas era importantíssimo estar em quadra hoje. Estava com muita vontade de jogar, apesar de não estar 100%. Agora tenho que me recuperar para amanhã. Enfrentaremos um time forte, com atacantes acostumadas a decidir. Nossa maior preocupação é com isso. Temos que tentar mudar o que foi feito no primeiro jogo contra eles. Cometemos muitos erros, mas quando igualamos, eles também erraram”, disse Fofão.

Mostrando a regularidade da última temporada, a oposto Sarah Pavan foi outro destaque do confronto. Com 18 acertos, a canadense foi a maior pontuadora do confronto deste sábado e espera repetir a boa atuação na decisão, diante do time turco.

“Será um jogo duro, bem difícil. O VakifBank é um time muito consistente, que sabe controlar a partida. Além de serem fortes no ataque e no bloqueio. Vai ser um desafio grande, mas estamos melhores. Evoluímos já no jogo de hoje e podemos vencer amanhã”, analisou Sarah.

Feliz com o resultado e com a melhora da equipe, Bernardinho não esconde que ainda espera um Unilever Vôlei menos inconstante na decisão do Mundial de clubes. De acordo com ele, somente assim poderá superar o forte time do VakifBank Istanbul.

“Continuamos apresentando altos e baixos. Tivemos apenas uma semana de treinamentos com o time completo, perdemos a Fofão, que retornou apenas hoje à equipe... Esse conjunto de fatores fez com que tivéssemos esses altos e baixos. Fomos melhores hoje, mas para ganharmos amanhã precisamos ser mais consistentes. Começamos bem contra o Volero, mas logo em seguida tivemos uma sequência de erros. Precisamos eliminar isso. A equipe precisa entrar em quadra mais tranquila para fazer uma partida digna do seu potencial. Temos que usar o entusiasmo à nosso favor”, afirmou Bernardinho, sem deixar de analisar o adversário da decisão do Mundial.

“O VakifBank possui uma excelente levantadora e muitas opções de ataque. Se destaca a Brankocevic, mas tem outras grandes jogadoras e a levantadora coloca todas elas no jogo. O volume de jogo deles também é melhor do que o Volero Zurich, nosso adversário das semifinais. Na partida da chave onde nos enfrentamos, tivemos chances de igualar o jogo, empatar e até passar à frente. Com excedemos nossos erros e ainda enfrentávamos um time confiante, com vantagem no placar. Precisamos manter a tensão sobre eles. Assim eles se tornam mais vulneráveis”.