Dátolo exalta Dunga, chance de reação no Inter e até papa argentino

Argentino Dátolo vive boa temporada após 2012 discreto no Internacional

A temporada de 2013 promete ser bem diferente para o argentino Dátolo em relação ao que foi 2012, quando chegou no início do ano para reforçar o Internacional. Logo no começo da trajetória no Beira-Rio, o meia já desconfiou de que seria difícil conseguir uma vaga no time colorado ou até mesmo no banco de reservas. Não pela qualidade do seu futebol, mas pelo número de estrangeiros que tinha o grupo - cinco no total -, sendo que só três poderiam atuar por partida em competições nacionais.

Dátolo sofreu ainda com as frequentes dores no púbis, o que também ajudou para que não conseguisse se firmar no time vermelho. Como se não bastassem todos estes problemas, o próprio Inter foi uma bagunça dentro de campo, mudando por três vezes o comando técnico durante a temporada.

Já neste ano, com as saídas dos volantes Guiñazu, que foi para o Libertad, e Bolatti, emprestado ao Racing, o número de estrangeiros está equilibrado. Dátolo, que chegou a ser cotado para também deixar o clube, iniciou a temporada como titular no time do técnico Dunga. Em entrevista exclusiva ao Terra, o jogador elogia o técnico Dunga, celebra a boa fase e projeta uma temporada vitoriosa.

Confira a entrevista com Jesus Dátolo, meia do Internacional:

Terra - Como está sendo trabalhar com o Dunga? Dá para comparar com os treinadores com quem você trabalhou no Inter?

Dátolo - Acho que cada treinador tem o seu estilo. Eu posso falar agora é do chefe (Dunga) porque está com a gente. Os treinadores que passaram eu não posso falar muito, mas o Dunga é muito competitivo, muito bom para nós e está dando resultado. A gente está entendendo a mensagem do chefe e a gente está trabalhando duro para dar tudo certo.

Terra - Você iniciou esta temporada como titular, mas acabou tendo uma lesão muscular na coxa. Você acha que perdeu a posição no time?

Dátolo - Sim, atrapalhou, mas a minha meta é a mesma, em tentar  jogar durante o ano e ganhar títulos. Por isso eu estou trabalhando duro e pensando em voltar e não sofrer com mais nenhuma lesão.

Terra - Este ano está melhor de trabalhar com somente três estrangeiros e não correndo o risco de sair até do banco?

Dátolo - Sim, mas eu tenho que sempre trabalhar forte, independentemente se tem mais estrangeiros ou não. É meu dever trabalhar sempre e tentar jogar o tempo que o treinador me der.

Terra- Você cogitou em sair este ano caso permanecesse o número elevado de estrangeiros no grupo?

Dátolo - Não, porque eu acredito no meu futebol. Trabalho forte e acredito no meu potencial.

Terra - Mas no ano passado você chegou a declarar que se não fosse para jogar você iria conversar com a direção e pedir para ser negociado...

Dátolo - Mas eu vou querer sempre ficar no Inter. Estou muito bem aqui. Tenho que treinar e tentar jogar a maior parte dos jogos.

Terra - Você estreou pelo Inter em um clássico Gre-Nal (05/02/12 Grêmio 2 x 2 Inter) e marcou um logo na estreia. O Gre-Nal é mais forte que um Boca x River?

Dátolo - Todos os clássicos são diferentes, mas quando eu cheguei aqui me falaram. Acho que foi o Fernandão que me disse, que tem que jogar um Gre-Nal como se fosse um River x Boca. Soube o quanto é importante um Gre-Nal, aí entrei e pude fazer um gol no clássico.

Terra - Por que você abriu mão de trabalhar com um empresário sendo que quase todos jogadores têm empresários ou agentes?

Dátolo - Acho que o jogador de futebol tem que se preparar não só para jogar futebol, mas para dirigir as suas coisas, os seus negócios. Eu dirijo as minhas coisas, os meus negócios e não fico só jogando futebol. Eu já tive empresário, mas aí eu acabei tendo problemas com este empresário e tomei a decisão de trabalhar sozinho, cuidando dos meus negócios.

Terra - E a seleção argentina? Você sonha em voltar a ser convocado?

Dátolo - Sonho, sonho muito porque em 2010 eu fui convocado na primeira lista de 30 jogadores e acabei sendo cortado. Fiquei muito frustrado, mas é um sonho. Trabalho para isto, retornar para a seleção.

Terra - Aonde o Inter pode chegar nesta temporada?

Dátolo - Pode chegar a grandes conquistas, só que para isto temos que enfrentar cada jogo como se fosse uma final e respeitar sempre o rival. Temos que sonhar e entrar no campo sabendo o que temos que fazer. Esta é a base para se ter grandes conquistas.

Terra - E o papa argentino, você ficou surpreso com a escolha?

Dátolo - (risos) Surpreso não, mas orgulhoso. Nunca imaginei um papa argentino, para nós sul-americanos é um orgulho.