Diretores da Gaviões viajam à Bolívia para conversar com embaixador

Membros da diretoria da Gaviões da Fiel seguem nesta segunda-feira para a Bolívia para um encontro com o embaixador do Brasil no país vizinho, Marcel Biato. De acordo com o jornalista Wanderley Nogueira, que tem um blog no Terra, a intenção dos membros da torcida organizada é saber se os 12 torcedores que estão detidos em Oruro podem ser soltos com a confissão do adolescente H. A. M. de que fez o disparo do sinalizador.

O menor, que ontem admitiu ao programa Fantástico que comprou o artefato no Brasil e efetuou a ação que acabou matando o jovem Kevin Beltrán Espada, torcedor do San José de 14 anos, se apresentará à Vara da Infância e Juventude, em Guarulhos, na tarde desta segunda. Porém, não deve ser extraditado para a Bolívia e por não ter maioridade penal deve cumprir uma pena sócio-educativa em solo brasileiro, caso seja considerado culpado.

Na última sexta-feira, a Justiça da Bolívia decretou a prisão preventiva dos 12 torcedores. Dois estão detidos pelo suposto crime de homicídio e os demais por serem possíveis cúmplices. De acordo com o jornal boliviano  La Patria, o juiz Julio Huarachi explicou, em audiência cautelar realizada na última sexta-feira, que os torcedores “Cleuter Barreto Barros e Leandro Silva de Oliveira seriam os autores” do disparo do sinalizador que matou Espada.

O juiz completou afirmando que “os cúmplices são Tadeu Macedo Andrade, Reynaldo Cohelo, José Carlos Da Silva Junior, Marco Aurelio Nefeire, Danielo Silva de Oliveira, Hugo Nonato, Clever Sousa Clous, Favio Neves Domingos, Rafael Machado Castillo e Tiago Aurelio Do Santos”.

Na audiência, Huarachi acatou a tese da promotoria e determinou a prisão preventiva dos 12 torcedores do Corinthians na penitenciária de San Pedro, em Oruro. A Justiça boliviana argumenta que os torcedores não devem ser liberados para responder às acusações em liberdade devido ao risco de fuga.