Campeão, Soares brinca com bolada e fala em "esperar para ter filho" 

Bruno Soares e Alexander Peya abriram rapidamente 9-3 no super tie-break que decidiu o título do Brasil Open e perderam os primeiros quatro match points antes de finalmente vencerem o checo Frantisek Cermak e o eslovaco Michal Mertinak. Nesse momento, uma bolada que o brasileiro sofreu em uma região delicada após um voleio dos adversários atrapalhou a dupla que recebia o apoio da torcida no Ginásio do Ibirapuera, em São Paulo.

“Acho que minha mulher vai ter de esperar uns três meses para ter filho, matou tudo o que eu tinha estocado”, afirmou Bruno Soares, rindo, na entrevista já como tricampeão do torneio. O mineiro, 30 anos, é casado com Bruna desde 2008.

“Nós fizemos um (super) tie-break perfeito, se ganhássemos aquele ponto era aquela euforia, os torcedores viriam abaixo, eles já estavam vibrando no meio do ponto. Mas o gran finale foi f..., fiquei com ‘dor de cabeça’ uns três pontos, fiquei meio zoado porque pegou, assim, em cheio”, completou o tenista, divertindo-se com o episódio.

Depois da bolada em um ponto bastante disputado, Soares relata que “não quis interromper muito nem parar demais” o jogo para se recuperar. “Tive que dar uma respirada, pensei: ‘calma, é match point, preciso jogar bem’”, disse ele, que considerou o voleio da dupla europeia como normal. “Foi em cheio, mas é coisa que acontece, meio frescobol. Sobrou, matou o ponto”.

Depois do susto, o brasileiro e o austríaco perderam outros três match points. Eles conseguiram fechar a partida por 2 sets a 1, com parciais de 6/7 (5-7), 6/3 e 10-7, no saque de Peya: depois do serviço, ele voleou e viu Cermak devolver a bola na rede, em lance que provocou a festa da torcida que lotava o Ginásio do Ibirapuera, com capacidade para 9.300 torcedores.

Com o resultado, Bruno conquistou o terceiro título seguido no Brasil Open, após triunfar em 2011, na Costa do Sauípe, ao lado do compatriota Marcelo Melo; e em 2012, em São Paulo, ao lado do americano Eric Butorac.

“Jogar aqui sempre é especial. O brasileiro não gosta de assistir, gosta de torcer, vibrar, aplaudir no momento importante. A quadra estava cheia, era um ‘caldeirão’”, disse Soares, agradecendo a boa presença do público apesar do horário inicial do jogo, marcado para as 11h (de Brasília) de um domingo, ser “um pouco cedo”. Peya também fez comentários elogiosos sobre o comportamento da torcida e disse não estar acostumado a atuar diante de tantas pessoas.

O brasileiro e o austríaco formam parceria fixa no circuito da ATP desde julho de 2012 e ganharam o quarto título em dez torneios disputados lado a lado. Durante a semana, eles manifestaram o objetivo de se classificarem ao ATP Finals de Londres, que reunirá as oito melhores duplas do mundo ao fim da temporada.

Atualmente, os jogadores ocupam o 34º lugar do ranking da modalidade e vão se aproximar do top 10 nesta segunda-feira, quando a lista for atualizada com os 250 pontos ganhos no Brasil. Pela conquista, eles dividem ainda uma premiação de US$ 25.000 (R$ 49.100).