Irmãos se encontram no Arruda buscando espaço no futebol profissional 

Irmão mais velho, Clebson levou Philco para o Atlético-PR, primeiro clube onde o jogador atuou profissionalmente. Dez anos depois, o mais novo estreou no ontem marcando o gol da vitória do Santa Cruz sobre o CRB, pela Copa do Nordeste, em partida que teve mais de 24 mil pagantes. Já o seu conselheiro foi participar de um amistoso no dia seguinte contra os reservas do time tricolor e foi goleado, ao lado de outros atletas pernambucanos temporariamente sem time.

 Até pouco tempo Philco também estava procurando um clube. Chegou a jogar numa partida ao lado de Clebson pela equipe improvisada, mas brinca que naquela oportunidade os dois tiveram um pouco mais de sorte e ele conseguiu dar o passe para o gol de honra marcado pelo seu irmão. Em dezembro, conseguiu uma oportunidade de fazer um teste no Arruda, foi aprovado pelo treinador Marcelo Martelotte, saiu como titular na estreia da Copa do Nordeste e aos dois minutos do seu primeiro jogo marcou seu primeiro gol com a camisa tricolor.

Além da ida para o Atlético-PR, Philco conta outras histórias em que os dois estiveram unidos. “Quando eu tive a lesão no menisco, aquele tempo difícil no Figueirense e depois em algumas equipes menores, ele sempre tinha uma palavra de confiança para me deixar tranquilo”, conta o atleta, que depois de passar pelo futebol português, passou por problemas e acabou voltando para Pernambuco onde atuou por América, Belo Jardim e Cabense.

Sobre as perspectivas de o irmão voltar a atuar profissionalmente, Philco fala com confiança. “É difícil ficar sem clube, mas eu sei que é questão de tempo porque ele tem qualidade”, diz ele, que viaja amanhã para Campina Grande, onde o Santa Cruz enfrenta o Campinense na quarta-feira. No interior paraibano, ele fará sua segunda partida com a camisa tricolor e tentará continuar a deixar uma boa impressão para a “impressionante” torcida tricolor.