Pai de Messi esquece duelo com Pelé e valoriza 'própria história'

A discrição do indescritível Lionel Messi vem de berço. Vem de seu pai, Jorge Messi. Nesta entrevista exclusiva ao Terra, o responsável pelo maior jogador deste século, quiçá de todos, ajuda a se entender uma das mais marcantes características do filho. As recorrentes citações à força coletiva do Barcelona e à simplicidade para evitar novas polêmicas com Pelé preenchem a fala tranquila de Jorge Messi.

A bem da verdade, o pai do favorito a mais uma Bola de Ouro da Fifa dribla as questões mais espinhosas como o filho ultrapassa qualquer marcador do futebol mundial. De Pelé a Neymar, ou dos concorrentes ao prêmio jogador do ano, Jorge Messi só esquece a cautela quando questionado sobre quem será eleito o treinador do ano, na próxima segunda-feira, em Zurique. “Com certeza, não será Mourinho”.

Autor de 92 gols em 2012, a maior marca de todos os tempos no futebol, Lionel Messi é o favorito disparado para superar Andrés Iniesta e Cristiano Ronaldo na luta pela quarta Bola de Ouro. Com ela, a se concretizar, também terá superado todos os outros no prêmio. Até então, só Zinedine Zidane, Ronaldo e ele próprio, Messi, 25 anos, têm três estátuas entregues pela Fifa.

O Terra traz a palavra não só de quem ajudou a fazer Lionel, mas também aquele que tomou uma das decisões mais importantes na vida de Messi. Quando o filho tinha 13 anos, Jorge se agarrou a um empresário e foi até Barcelona atrás das injeções de crescimento de que seu pupilo precisava. Confortável na mansão da família Messi, com vista ao Mar Mediterrâneo, ele assiste hoje à história do futebol ser reescrita por sua irretocável obra-prima.

Confira a entrevista exclusiva com Jorge Messi:

O senhor está muito confiante de que Messi ganhará a Bola de Ouro pela quarta vez?

Jorge Messi: Nunca consigo ficar. Nem nas outras três vezes (em que ganhou) a confiança era de 100%. Até que ele tenha o troféu em mãos, não se pode saber. É a votação de muita gente, é muito difícil, pode se ganhar ou não. Há três candidatos e acho que todos têm boas possibilidades. NR.: Votam para a Bola de Ouro todos os capitães e treinadores das seleções afiliadas à Fifa, além de um equivalente colegiado de jornalistas apontado pela revista francesa France Football

Os 92 gols de Messi vão pesar mais que os títulos de Iniesta e Cristiano Ronaldo? Os rivais de seu filho venceram dois troféus em 2012 e Messi conquistou apenas a Copa do Rei, mas bateu um recorde histórico do futebol mundial. 

Jorge: Não sei. É mais daquilo que eu já disse. Cada um tem seus critérios para votar. A alguns vai parecer que fazer mais de 90 gols em um ano é mais importante que ganhar títulos. Para outros, os títulos podem ser prioritários. Vai sempre de acordo com quem vota.

Como está Lionel prestes a vencer a quarta Bola de Ouro? Vocês estão juntos?

Jorge: Sim, estamos juntos em Barcelona. Ele está como sempre, porque sempre disse que a prioridade são os títulos coletivos e não individuais. Se ganha a Bola de Ouro terá muito mérito, mas toda a equipe e seus onze jogadores atuam para ganhar títulos. Tudo isso tem muito a ver com a equipe também. Ele não fica nervoso para isso, senão imagina como ficaria em uma final de Champions League ou da Liga Espanhola (risos)...

Não há jogador com quatro troféus da Fifa. Messi, se vencer, será o maior desde que o prêmio foi criado. Ele é o melhor da história?

Jorge: Nunca entrei nessa polêmica. Na história nunca se compararia. Há diversas épocas, diversos momentos. Houve o momento de Pelé, o de Di Stéfano, depois passou a ser o momento de Cruyff. Há épocas e momentos. Neste, Lionel é parte de um grupo de jogadores que são os melhores. Não da história, mas do momento.

Ele pode superar Pelé? É possível?

Jorge: Insisto no mesmo. Pelé fez história em seu momento, em sua década, e Lionel faz sua própria história em sua época. É muito difícil, não posso falar sobre isso (risos).

Gostaria de Neymar com Messi no Barcelona?

Jorge: Os jogadores do Barcelona já disseram sobre isso. Em um grupo de grandes jogadores, ter mais um entre eles, como é Neymar, sempre vai somar. Mas são coisas que fogem do nosso controle, não podemos nos meter nessa situação.

Qual o treinador do ano? José Mourinho, Pep Guardiola ou Vicente Del Bosque?

Jorge: Para mim, está entre Pep e Del Bosque. Mourinho não, com certeza não.