Em SP, Sharapova festeja helicóptero e se despede da quadra para aeroporto

Os fãs que esperavam um contato maior com Maria Sharapova durante o Gillette Federer Tour não tiveram o desejo atendido. A tenista bateu a dinamarquesa Caroline Wozniacki na única partida que disputou no evento, na noite desta sexta-feira, e partiu rapidamente para o aeroporto, sem atender torcedores e imprensa.

Segundo a assessoria do evento, Sharapova tinha um voo de volta marcado para Miami no início da madrugada deste sábado. A russa foi uma das últimas participantes da turnê de exibições a chegar, o que fez na quarta-feira, e também uma das primeiras a ir embora. "Obrigado São Paulo por uma estada legal. Gostaria de poder ficar mais!", escreveu Sharapova no Facebook, na noite de sexta, como legenda de uma foto na qual sorria e aparecia entre Roger Federer e o pai do tenista suíço, Robert.

O Facebook se tornou um dos principais meios para ter detalhes sobre a rotina de Sharapova em São Paulo. Ela só falou à imprensa em geral na manhã de quinta, quando participou da festa de lançamento do evento e se disse satisfeita em testemunhar a "paixão" e a "empolgação" dos brasileiros.

"Gostaria de conhecer lugares como a praia e os pontos turísticos e de tomar sol, mas não terei a chance de conhecer o quanto gostaria", afirmou a russa, que mora nos Estados Unidos desde 1994 e fazia treinos de pré-temporada na Flórida antes da viagem.

Diante de Wozniacki, Sharapova jogou com bastante seriedade e dominou a partida, vencendo a número 10 do mundo por 6/2 e 7/6 (7-5), em uma hora e 36 minutos. A russa não interagiu muito com o público, e seus costumeiros gritos, marca registrada após cada disparo de forehand ou backhand, saiam com a mesma intensidade dos jogos oficiais.

Ela não mostrou muita empolgação também ao aceitar o convite da dinamarquesa, que dançava com o mascote dos Correios durante a virada do sétimo game do encontro. Com certa relutância, a segunda colocada do ranking levantou-se do banco no qual se sentava e ensaiou alguns passos ao som do hit Barbra Streisand, do duo Duck Sauce, mas logo fez com a mão um sinal de não, indicando que já era hora de retomar o jogo.

Aparentando pressa para não perder o voo, a russa conseguiu assegurar a vitória às 21h15 (de Brasília), mas ainda precisou atender o mestre de cerimônias. "Olá, todo mundo", disse, esboçando um sorriso tímido. Questionada se sabia que seu primeiro nome é muito comum no Brasil, ela confirmou e reagiu. "Quantas Marias estão aqui hoje?", perguntou. Após uma manifestação não muito eufórica do público, que não lotava os 10 mil assentos aproximadamente disponíveis no Ginásio do Ibirapuera, a tenista completou: "que legal, realmente são muitas".

Logo depois, na saída do portão 3 do ginásio, muitos fãs se aglomeraram para tentar um autógrafo da estrela ou uma foto com ela. A jogadora apareceu, o que provocou muitos gritos de "Maria, Maria", mas imediatamente entrou em um carro que a levou para a saída, sem passar pela sala de imprensa. O contrato assinado pelos atletas participantes do evento não prevê a obrigação de conceder entrevista coletiva, porém nos dois primeiros dias de exibições todos eles se dirigiram ao local para falar, menos Sharapova.

De volta aos EUA, a tenista, 25 anos, segue a preparação para o Aberto da Austrália, o primeiro Grand Slam de 2013, que começa em 14 de janeiro. Não se sabe exatamente a impressão com a qual ela deixou o Brasil, mas uma foto publicada no Facebook deixa alguma ideia. "O modo mais fácil de transporte em São Paulo é de helicóptero. Me sinto muito parte da era dos Jetsons!", disse, citando o desenho animado futurista que estreou na televisão americana em 1962.

Ela já havia visitado o País em 2009, quando, em outra visita rápida, superou a argentina Gisela Dulko em amistoso realizado em uma fazenda de Porto Feliz (SP). Na ocasião, apenas cerca de 800 convidados dos patrocinadores assistiram à partida in loco.