Em meio à crise, brasileiros do Chelsea evitam falar de Corinthians

Os jogadores brasileiros que atuam no Chelsea não conseguem esconder o sorriso amarelo quando são perguntados sobre a situação do time às vésperas do Mundial de Clubes no Japão. Apesar da goleada convincente diante do modesto Nordsjaelland, da Dinamarca, nesta quarta-feira em Stamford Bridge, a equipe protagonizou um vexame inédito: pela primeira vez na história, o atual detentor do título da Liga dos Campeões da Europa caiu na fase de grupos da competição.

Os ingleses massacraram os rivais dinamarqueses por 6 a 1, mas terminaram em terceiro lugar no Grupo E, atrás de Shakhtar Donetsk e Juventus, segundo e primeiro colocados, respectivamente.

Os torcedores do Chelsea mais uma vez aproveitaram a oportunidade para protestar contra Rafa Benítez, treinador interino que assumiu no último dia 21 o posto deixado pelo ídolo da torcida, Roberto Di Matteo. Aos 8min, meia hora antes do brasileiro David Luiz fazer o primeiro dos sete gols da partida, os 40 mil torcedores presentes cantavam: ‘’Existe apenas um Di Matteo, somente um Di Matteo’’ e Benítez, que estava em pé instruindo o time, rapidamente recolheu-se ao banco de reservas para a alegria dos ingleses.

E mesmo após o zagueiro brasileiro David Luiz dar início à goleada, os gritos em alusão ao ex-técnico seguiram forte, deixando claro que a mudança de comando não foi aprovada pelas massas e que o espanhol está longe de convencer os torcedores.

"Esse carinho pelo Di Matteo é algo que ele construiu ao longo de muitos anos como jogador e técnico do clube. Apesar das críticas, o Benítez está chegando agora e vai mostrar o treinador de qualidade que é", disse David Luiz ao Terra.

Além de David Luiz, o meio-campista Ramires foi outro brasileiro que começou como titular diante do Nordsjaelland. O meia Oscar entrou na etapa complementar, a tempo de fazer um dos gols da equipe. A ausência do camisa 11 entre os titulares é uma das mudanças implementadas por Benítez. O ex-jogador do Internacional, que havia conquistado posição de destaque sob o comando de Di Matteo, afirmou que entende a nova realidade em Stamford Bridge.

"O Rafa Benítez conversou com o grupo todo e explicou que gosta de fazer esse revezamento. Uma vez não jogou o Mata, outra o Hazard, outra o Moses, e eu também fiquei de fora. Com ele será assim, então temos que entender", afirmou Oscar.

A queda precoce na principal competição europeia, a crise entre torcida e técnico e até o compromisso deste sábado contra o Sunderland pelo Campeonato Inglês eram os temas questionados pelos jornalistas após a parida de ontem. Mundial de Clubes? Apenas os brasileiros tocaram no assunto.

"Vamos chegar fortes. Agora com ainda mais gana de vencer o Mundial, depois de ficar de fora do melhor torneio europeu. Jogadores que vestem a camisa de um grande clube pensam sempre em ganhar. Nosso time vive de vitórias e títulos", disse David Luiz. 

"Temos que dar valor ao Mundial. Quem não pensar assim, não tem capacidade para vestir a camisa de um grande clube como o Chelsea", completou.

O zagueiro da Seleção Brasileira, porém, evitou falar do Corinthians. A pergunta sobre a boa fase do time brasileiro, teoricamente o principal adversário do Chelsea  no Japão, não agradou o defensor.

"Mundial não é só o Corinthians. O jogo contra o Corinthians é uma possibilidade, não sabemos se vai acontecer. Se acontecer, respeitamos o Corinthians que é um grande time, mas estamos preparados para vencer. Todo mundo sabe o que aconteceu com o Internacional uma vez, então ficar pensando na final é o primeiro passo para não conseguir o sucesso", argumentou o brasileiro.

O Chelsea estreia no Mundial de Clubes no dia 13 de dezembro, em Yokohama, contra o vencedor da partida entre Ulsan Hyundai, da Coreia do Sul, e Monterrey, do México.