Neymar admite lances de efeito, mas diz: 'não foi para humilhar'

Neymar admitiu ter sido advertido pelo zagueiro Maurício Ramos pelos "lances de efeito" na vitória por 3 a 1 do Santos contra o Palmeiras, neste sábado, na Vila Belmiro. O atacante assegura que não teve como intenção menosprezar os rivais e que não utilizou os recursos técnicos para humilhar os palmeirenses, já rebaixados antecipadamente para a Série B do Campeonato Brasileiro.

"Acho que não tem esse negócio, todos estão ali para jogar futebol. O jogador quando está com a bola faz o que quiser. Nunca joguei para menosprezar ou humilhar ninguém. Sempre dei chapéu e carretilha com 0 a 0. Hoje (sábado) fiz jogadas de efeito, mas não porque o Palmeiras estava rebaixado. Foi a jogada que pediu. Ele reclamei e falei para ele que só estava jogando", afirmou.

O atacante santista marcou dois gols no confronto e ainda deu a assistência para o tento marcado por Victor Andrade, o primeiro do Santos na partida. Durante o jogo, Neymar ainda distribuiu chapéus e lances de efeito. O santista, no entanto, externou a reprovação por uma entrada mais ríspida do zagueiro Román, expulso ainda aos 21min no primeiro tempo.

“Não sei se foi maldade ou não. Cabe aos outros analisar. É necessário analisar. Poderia ter quebrado a perna, mas graças a Deus me protegeu e me tirou de lesão”, disse. Neymar marcou 43 gols pelo Santos na temporada e ficou a dois de igualar o recorde de Serginho Chulapa, principal artilheiro santista pós-era Pelé em um só ano, em 1983.