No grupo da Espanha, Tabarez vê Uruguai brigando com africano por 2º lugar

Mesmo após o quarto lugar na Copa do Mundo de 2010, o técnico do Uruguai, Oscar Tabarez, parece não crer que o time celeste conseguirá brigar de igual para igual com a seleção espanhola dentro do Grupo B da Copa das Confederações. Após o sorteio das chaves, neste sábado, ficou decidido que os sul-americanos encararão o atual campeão mundial logo na estreia do torneio.

"É o rival (Espanha) mais difícil entre todos os participantes, isso por conta dos antecedentes dos últimos anos. É um orgulho e grande motivação ter esta oportunidade de jogar esta partida. Mas creio que o jogo decisivo para nós, vai ser contra o representante africano. Espero que tenhamos muita luz para poder passar a segunda fase, depois jogaremos com Taiti que é um time sem experiência, que não conhecemos. Mas, de maneira geral, estamos felizes com o sorteio".

Tabarez disse ainda que o foco no primeiro semestre ainda é a disputa das Eliminatórias da Copa do Mundo, mas que o time uruguaio tentará se preparar bem para a Copa das Confederações. "Vamos estar em plena disputa das Elliminatórias, estamos em uma posição melhor que nas Eliminatórias anteriores, em que acabamos nos classificando e fizemos um bom papel".

O treinador uruguaio comentou a possibilidade de deixar o cargo caso não tenha um desempenho bom na Copa das Confederações. De acordo com Tabarez, isso depende dos dirigentes e não somente do desempenho dentro das quatro linhas. "Penso que na realidade do futebol atual, cada vez mais a decisão que envolve a continuidade ou não dos treinadores são mais parecidas com as do mundo empresarial que com as do mundo do futebol. Quando os diretores decidem que seria melhor com outra pessoa, a decisão é tomada e pronto", disse.

"Agora há pouco na Europa vimos que o último treinador da Liga dos Campeões foi destituído. É cada vez mais normal. É realidade dos nossos tempos e assumimos isso como qualquer treinador. Não penso nisso porque me desconcentraria, entretanto sempre pensamos de maneira positiva que o trabalho que realizamos levará a frutos e vamos ver. Na Eliminatória passada tivemos muitas dificuldades e o assunto surgiu, mas as coisas mudam. Quanto mais muda o mundo do futebol mais se parece que uma seleção pode ter dificuldades de um dia para o outro. Respeitamos muitos os rivais e trabalhamos".