Em 27º jogo na Seleção, Neymar nega vaga cativa e pede vontade a novatos

Principal nome da Seleção Brasileira após a Copa do Mundo de 2010, o atacante Neymar disputará nesta quarta-feira sua 27ª partida com o Brasil sob o comando do técnico Mano Menezes. O astro santista deve ser titular na partida diante da Argentina em Buenos Aires, pelo Superclássico das Américas 2012, mas não vê a presença constante nas convocações de Mano como uma vantagem para começar o jogo no Estádio de La Bombonera.

“Aqui ninguém tem cadeira cativa, não. Todos nós temos que mostrar nossos trabalhos. Tem que estar sempre em alto rendimento e dar conta do recado. Defender a Seleção Brasileira é uma chance única. Quarta-feira está aí, para mim e para quem é convocado pela primeira vez”, discursou o atacante, autor de 17 gols nos 26 jogos que fez pela Seleção Brasileira. A seu lado, deve estar Fred, com 19 partidas e seis gols pelo Brasil.

Os titulares da Seleção devem ser decididos por Mano Menezes na noite desta terça-feira, já em Buenos Aires, e divulgada no dia seguinte. Mesmo favorito a um dos dez lugares ainda pendentes, uma vez que o goleiro Diego Cavalieri foi anunciado por Mano, Neymar despista sobre preferências de companheiros ou esquemas táticos para o duelo decisivo.

“Eu prefiro jogar. Esquema tático já não é comigo. Não entendo muito também, por isso a gente tem o treinador. Eu prefiro jogar, independente se é com homem fixo (na área, que seria Fred) ou não”, disse Neymar, de bom humor, comemorando a oportunidade para que os jogadores com poucas chances na Seleção Brasileira mostrem seu trabalho para o técnico.

“É mais uma oportunidade de estar defendendo sua nação. A gente tem aqui cinco que foram convocados pela primeira vez. Não só eles, mas todos nós estamos realizando um sonho de infância, de família. Então, vamos buscar um titulo”, acrescentou o camisa 11.

Dos 19 convocados, os únicos novatos na convocação são: Diego Cavallieri (Fluminense), Durval (Santos), Fellype Gabriel (Botafogo), Jean (Fluminense) e Léo Silva (Atlético-MG). O goleiro, no entanto, adota um discurso discreto quando o assunto é a vaga de titular na Seleção Brasileira a médio e longo prazo.

“É difícil para o treinador. Ele tem um leque muito grande de atletas. Dentro do Brasil ou fora, ele tem um leque muito grande”, disse o atleta, citando Diego Alves e Jefferson como nomes lembrados recentemente para a posição que ocupará contra a Argentina. “Como falei, tenho que trabalhar consciente de que uma hora ao oportunidade vai acontecer”, completou.