Djokovic elogia Bellucci, mas diz que falta consistência ao brasileiro

Desde que Gustavo Kuerten "pendurou as raquetes", há pouco mais de quatro anos, o tênis no Brasil deposita todas as suas chances em Thomaz Bellucci. Atual 32º colocado no ranking geral da ATP, Bellucci ganhou elogios do atual líder da pontuação, o sérvio Novak Djokovic, que, no entanto, deu um conselho ao brasileiro: é preciso mais consistência de jogo para arrumar um posto, ao menos, entre os dez melhores do mundo.

"Ele tem capacidade de ser um top 10, e a atitude dele na quadra é positiva, de confiança, o que eu acho fundamental para um jogador estar entre os 10 melhores do mundo. Thomaz tem isso, mas precisa de consistência e um pouco mais de experiência", alertou Djokovic, que está no Rio de Janeiro, para divulgar seu desafio de tênis ao lado de Guga.

Prestes a completar os mesmos 25 anos do líder da ATP, Bellucci, que é tenista profissional desde 2005, tem sido páreo duro para os quatro grandes tenistas da atualidade: o espanhol Rafael Nadal, o suíço Roger Federer e o britânico Andy Murray, além do próprio Djokovic. "A partida contra ele foi muito difícil, contra o Nadal e Federer também. Ele sabe como jogar contra top players, ele não tem medo", elogiou o sérvio.

Contra Djokovic, nas semifinais do Masters 1000 de Madri, o brasileiro saiu na frente, mas acabou tomando a virada - após ter vencido Murray nas quartas de final, por 2 sets a 0, em sua grande auge no tênis até então. Contra Federer, em Indian Wells, em março deste ano, também venceu o primeiro set, mas levou nova virada. Diante de Nadal, em Wimbledom, também em 2012, liderou a primeira etapa antes de perder no tie-break. "Basta um pouco mais de concentração para os momentos decisivos", frisou ainda Djokovic.