Alemães criticam Mercedes por "adeus indigno" a Schumacher

A saída de Schumacher da Mercedes e a contratação do britânico Lewis Hamilton pela equipe viraram motivo de grande debate na imprensa da Alemanha. O diário Bild, um dos mais vendidos do país, critica a escuderia pelo que considera ter sido um "adeus indigno" ao heptacampeão da Fórmula 1.

"Apostou e foi demitido", titula o veículo. "Que adeus indigno para um dos maiores pilotos da história. Só Schumi apostou nele mesmo - ele foi demitido. E a frustração é profunda".

Oficialmente, o alemão não foi demitido pela equipe com a qual encerrou uma aposentadoria que durava desde 2006 para retornar à F1, em 2010. O piloto estava no último de seus três anos de contrato e se mostrava muito "indeciso" sobre a decisão de continuar, segundo o chefe da Mercedes, Ross Brawn. De acordo com o dirigente, o tempo todo o veterano, 43 anos, estava ciente das negociações mantidas com Hamilton, cujo vínculo com a McLaren se encerra nesta temporada.

O diário aponta que até pouco tempo atrás Schumacher acreditava se encontrar em uma "posição segura" para a renovação. O veículo informa que detalhes sobre um novo contrato chegaram a ser discutidos, mas a negociação "afundou" e a equipe passou a apostar fortemente em Hamilton.

Em uma análise do desempenho da passagem pela Mercedes, nos quais o heptacampeão mundial não conquistou vitórias e obteve apenas um pódio, o periódico ainda questiona se o retorno do alemão às pistas foi um "grande erro". A resposta "puramente esportiva" seria sim, de acordo com a publicação. Por outro lado, analisa-se que Schumacher "cresceu nos últimos três anos como ser humano; talvez sua maior vitória".

Neste sábado, o assunto estampa ainda a capa de alguns jornais alemães. "Schumacher fora da Mercedes; recordista da Fórmula 1 aposentado", é a manchete do Die Welt. "Mercedes substitui Schumacher por Hamilton", escreve, por sua vez, o Der Tagesspiegel.