Valorizado após amistosos, Hulk vê novo quarteto como diferencial 

Muita gente acreditava que o atacante Hulk pudesse ficar de fora das convocações da Seleção Brasileira depois de se transferir para o Zenit, da Rússia, um mercado de menor visibilidade na Europa. Mas se alguém aproveitou bem as duas partidas contra África do Sul e China no Brasil com certeza foi o autor do gol da vitória no primeiro jogo. Ele ganhou a posição de Leandro Damião e foi um dos mais festejados durante todo a partida desta segunda-feira, em Recife, mesmo antes de marcar novamente aos 6min do segundo tempo, no jogo contra a China.

O atacante disse que não poderia se sentir melhor em termos de posicionamento. "Teve mais movimentação, não tinha um jogador fixo, tinha mais liberdade para trocar de posição, isso aumentou a dificuldade para a seleção adversária", considera Hulk, sobre a mudança de posicionamento promovida pelo treinador Mano Menezes, que tirou Damião e colocou Neymar como centroavante livre para cair para os lados.

Para ele, "o resultado foi justo e poderia ter sido maior. A determinação dos jogadores foi importante, não tinha bola perdida e isso é que vale. Esse jogo deu moral". Questionado se as suas boas atuações seriam uma segurança para que ele esteja novamente nas convocações quando forem novamente incluídos os jogadores que estão em times estrangeiros, ele preferiu dizer que está feliz pelo resultado e por ter feito o gol e ajudado a Seleção contra a China.

"Quando você está tendo o trabalho reconhecido não tem como deixar de ficar motivado. Eu estou tendo meu trabalho reconhecido e estou muito feliz. Queria agradecer o carinho do público", disse, evitando entrar em polêmicas.