Rússia é o novo eldorado do futebol, dizem espanhóis 

O poder econômico do futebol mundial mudou. A Itália vem passando por um momento crítico, o Milan foi forçado a vender Ibrahimovic e Thiago Silva para o Paris Saint-Germain, e a Inter se limitou a contratar os modestos Handanovic, Cassano e Palacio. Já a Espanha foi incapaz de segurar Javi Martínez, Cazorla, Mata, David Silva, Reina e Fernando Torres nos últimos anos. Inglaterra e Alemanha seguem como grandes potências, a França conta com investimentos árabes no PSG, a China parece o destino certo para jogadores experientes e renomados, e a Rússia aparece como a grande força econômica do velho continente, segundo o jornal espanhol El País.

Se havia alguma dúvida sobre o poder financeiro do futebol russo, o Zenit colocou um ponto final na tarde desta segunda-feira. Após contratar o brasileiro Hulk, do Porto, e Witsel, do Benfica, as transferências somaram 100 milhões de euros, o time cravou as maiores negociações da temporada.

A equipe de São Petersbugo conta com o apoio financeiro da Grazpom, empresa estatal de extração de gás natural, que também patrocina o alemão Schalke 04 e a Liga dos Campeões. Atual campeão nacional, O Zenit é comandado pelo italiano Luciano Spaletti, e a base do time conta com os russos Malafeev, Shirokov, Semak, Denisov e Kerzhakov, os portugueses Bruno Alves e Danny, além do italiano Criscito.

No grupo C da Liga dos Campeões, ao lado de Milan, Anderlecht e Málaga, o treinador espera repetir o sucesso de seu antecessor, Dick Advocaat, campeão da então Copa da Uefa em 2008 e vencedor da Supercopa europeia contra o Manchester United. O clube manda seu jogos no estádio Petrovsky, com capacidade para 21.383 torcedores, mas espera terminar as obras de sua nova casa ainda este ano, a Grazprom Arena, para 60 mil expectadores.

Mas o Zenit não é o único emergente da Rússia. O propretário do Anzhi, Suleiman Kerimov, gastou cerca de 150 milhões de euros na temporada passada. Entre os reforços, estão os consagrados Roberto Carlos, Zhirkov e Samuel Eto'o, que inclusive é o jogador com o maior salário do mundo, cerca de 20 milhões de euros anuais, segundo a publicação espanhola. O último a chegar foi o volante Lass Diarra, contratado junto ao Real Madrid por cinco milhões.

Seguindo a linha de grandes investimentos, o espanhol Unai Emery, ex-Valencia, assinou contrato de dois anos com o Spartak Moscou, um dos clubes mais populares e com o maior número de títulos no campeonato nacional, nove conquistas. Emery vem para o lugar de Valery Karpin, agora diretor do clube, que trouxe o também espanhol Jurado, do Schalke, por empréstimo. Além dos espanhóis, a equipe contratou o brasileiro Rômulo, volante titular da Seleção Brasileira durante os Jogos Olímpicos de Londres.

Já o Lokomotiv, propriedade das ferrovias estatais, contratou o croata Slaven Bilic como treinador, que junto, trouxe o lateral Corluka, ex-Manchester City. Enquanto isso, o Rubin Kazan, atual campeão da Copa da Rússia, se reforçou com o atacante venezuelano Rondon, ex-Málaga, por 10 milhões de euros, e o meio-campista Orbaiz.

Ao contrário dos clubes, a seleção nacional não enfrenta um bom momento. A Rússia não passou da primeira fase da Eurocopa 2012, realizada na Ucrâni e Polônia, o que acarretou na renúncia do presidente da federação, Sergei Fursenko. As equipes, então, aproveitaram a brecha e aumentaram o número de estrangeiros por equipe no Campeonato Russo: de seis para sete atletas. Porém, esta mudança pode piorar ainda mais a situação da seleção, não contribuindo com o desenvolvimento de novos atletas no país. Um exemplo disso é Alan Dzagoev, considerado uma grande revelação russa, terá que disputar posição com o brasileiro Mário Fernandes, que foi contratado por 15 milhões de euros junto ao Grêmio.